A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

Para que serve a Filosofia

 

Não raro, é colocada a questão: «Para que serve a Filosofia?» A resposta parece não ser fácil. E porquê? Porque se nos for colocada uma questão de índole mais prática, como, por exemplo, «para que serve a matemática?», a resposta emerge de pronto: «para aprender a fazer contas e aplicá-la no nosso dia-a-dia». A Filosofia, porque é uma concepção do mundo e da vida, exige resposta mais elaborada do que aquela de demos para a matemática, e está muito distante do pensamento do quotidiano, embora a Filosofia seja «a actividade mais natural do homem e o inquérito filosófico o mais caracteristicamente humano» (Rafael Gambra).

Ora, o que, aparentemente, remete a Filosofia para fora do senso comum é a sua natureza, dado que a Filosofia é uma disciplina muito exigente consigo mesma. Com efeito ela é pensamento crítico que se auto-examina permanentemente, que questiona os seus próprios fundamentos, que interroga todo o outro saber que a humanidade já produziu, ele próprio vindo da Filosofia. Aliás, a Filosofia está na origem de todas as ciências, tal como se desenvolveram a partir dos filósofos pré-socráticos, de Sócrates, Platão e Aristóteles, na Grécia Antiga, cuja actividade corresponde a um novo paradigma, diferenciado do pensamento mítico e religioso. Neste tempo da Filosofia, a vida, os fenómenos da natureza e o saber já não obedecem aos caprichos dos deuses. Os primeiros filósofos desenvolvem um enorme esforço de reflexão sistemática para entenderem a realidade, que começando pela apreensão do mundo natural atêm-se na dimensão humana, mas também na dimensão abstracta como a metafísica. É a liberdade racional em acção, ou seja, o poder da razão.

Sem ignorar o seu campo privilegiado de reflexão, como a Metafísica, a Lógica, a Ética, a Estética, a Teoria do Conhecimento, a Hermenêutica, etc., a Filosofia, na época Antiga e adentro nos séculos da era cristã, englobava todos os ramos do conhecimento puro [diferentemente das artes e ofícios]. Só muito lentamente, alguns ramos do conhecimento foram conquistando a sua autonomia, como a matemática, a astronomia, a medicina, a história, a biologia, a física, de entre outras. Só a partir do século XVI, e mais proficuamente, no século XVIII, é que se advoga e acentua mais a distinção entre Filosofia e Ciência. A ideia de demonstração faz o seu caminho, exige-se a prova do que é dito ou teorizado. Valoriza-se a racionalidade.

Na sua origem, estas características são comuns à Filosofia e à Ciência. Tudo pode ser dito, qualquer hipótese pode ser formulada, mas para que se revista de credibilidade deve ser argumentada, justificada, demonstrada.

Assim, o saber que a Filosofia proporciona, enquanto saber crítico, faz com que cada um de nós possa tomar decisões com mais acerto, mesmo na vida quotidiana. Torna-nos mais conscientes relativamente às nossas posições perante as coisas da vida. Liberta-nos da tirania da ingenuidade e do «ouvi dizer que…», do «diz-se que…», torna-nos mais atentos e menos manipuláveis. Como alcançar tal desiderato? Através do pensamento crítico, da reflexão, da atitude interrogativa, mas também argumentativa, da dialéctica, aceitando o pensamento divergente, para o pôr em causa, se for caso disso.

Pode agora dizer-se que a Filosofia sempre serve para alguma coisa, uma vez que, como diz Gramsci «Todos somos filósofos», no entanto, temos que distinguir o «filósofo» que todos somos, que ocasionalmente filosofa espontaneamente, do filósofo que sabe do ofício, o filósofo intencional, que concebe uma visão do mundo e da vida, que incessantemente prossegue a verdade e na busca de fundamentos para as suas ideias, princípios e concepções.

Aristóteles dizia que a filosofia começa com o espanto, ao verificar-se que, afinal, nem tudo o que parece é, e isso é susceptível de nos causar intranquilidade; enquanto que Bertrand Russell aconselha a que sejamos capazes de distinguir a aparência da realidade. Estas mensagens não deveriam ser ignoradas pelos seres pensantes.

Se, portanto, todos somos filósofos, desde que não olhemos a realidade de modo ingénuo e apático, talvez já possamos afirmar que, afinal, a Filosofia serva para alguma coisa. Este servir para alguma coisa está, obviamente, afastado do plano das necessidades materiais do quotidiano.

Assim, em primeiro lugar, poder-se-á afirmar que a Filosofia possibilita a clarificação dos princípios, métodos, objectos e implicações das Ciências e de outras disciplinas intelectuais, por forma a evitar fundamentos falsos e inseguros, falácias argumentativas, dogmas sub-reptícios. Em segundo lugar, ensina ou, pelo menos, estimula o homem a reflectir criticamente sobre a vida e o mundo em que permanentemente está envolvido. É coisa pouca? (António Pinela, Reflexões, Julho de 2010). Mais informação

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2020 www.eurosophia.com, Todos os direitos reservados