A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

Os Princípios e a Prática

 

Fala-se muito, hoje, de princípios. Princípios éticos, princípios morais, princípios políticos. Todos somos campeões em lucubrar sobre tais apotegmas, querendo com isso apontar as normas que norteiam a nossa prática, a nossa vida e os caminhos a seguir. É o que, filosoficamente, denominaremos por regras e normas ético-morais. Normas orientadoras dos caminhos a seguir por cada um de nós, sem as quais a nossa vida e prática não fariam sentido. Isto é verdade para cada pessoa, como o é para as organizações, sejam elas instituições públicas ou privadas, partidos, etc.

Se a organização político-social que construímos exige, de cada um de nós, que sigamos e cumpramos tais normas, para que não sejamos considerados «anormais» ou fora da norma, o mesmo, ou ainda com mais rigor, se exige às instituições, tenham elas o cariz que tiverem, que cumpram as regras para que as tomemos a sério.

As instituições diferenciam-se umas das outras pelos objectivos que lhes dão sentido. Informam os seus objectivos determinados princípios que se constituem num todo coerente. E é por isso que aderimos a umas em detrimento de outras. Como é o caso da adesão aos Partidos Políticos. Estes obedecem a um conjunto de princípios e de regras que os diferenciam de outros, e é por isso que optamos pelo partido A, B, C ou D, etc.

Posta esta breve introdução em tese, reflictamos sobe o seguinte exercício: o Partido A defende o liberalismo; o B defende o neo-liberalismo; o C o socialismo democrático e o D o marxismo-leninismo, cujos princípios que os constituem serão necessariamente diferentes. Se assim não fosse ninguém se entenderia politicamente. Que valor teria optar por A em vez de B, ou por C no lugar de D, se não houvesse diferenciação, como escolheríamos os nossos dirigentes políticos para ocupar cargos no Estado, como o de Presidente da República, de Deputado, de Ministro ou Autarca?

Se é verdade que a maioria dos cidadãos fazem as suas escolhas políticas, tendo em conta as propostas políticas que o leque partidário apresenta, como não se sentiriam defraudados aqueles, se os Partidos que os conduzissem a tomar certa decisão, em determinado momento, os traíssem, percorrendo outro caminho que não aquele que fora inicialmente proposto?

Esclarecendo: O Partido B, que pratica o neo-liberalismo ataca sistematicamente o Partido D, marxista-leninista, que diz, nos seus discursos, que B é da direita retrógrada. Consequentemente, para B, D é um Partido autoritário, não democrático, que não evolui no tempo; para D, B é de extrema direita, reaccionário, um perigo para a democracia!

Naturalmente que estou apenas a proceder a um exercício de retórica, para treino lógico do meu pensamento. A intenção deste texto é tão só discursiva. Todavia, que diriam os senhores leitores sobre a possibilidade de B e de D que, eventualmente, tão mal diriam uns dos outros, porque os princípios que constituem os seus projectos políticos seriam enormemente antagónicos, se juntassem, em forma de coligação, para derrotar A ou C?

Caros leitores, procurem na vossa memória para ver se vislumbram alguma semelhança entre a minha reflexão e a realidade que nos envolve. Se tal acontecer é pura coincidência, porque não consigo divisar que se B e D se reunissem fossem capazes de fazer um bom trabalho, uma vez que esta hipótese remota não constituiria um conjunto regular e uniforme, mas sim a reunião de conjuntos opostos! Tratar-se-ia de um falso conjunto, porque, como seria natural, cada parte reunida puxaria para seu lado. No actual contexto, a reunião de A com C ou de B com D faria lembrar aquelas mulas manhosas, sempre à "espreita" do erro da outra, cada uma a puxar para cada lado, não permitindo ao auriga da carroça formar uma parelha proficiente. (António Pinela, Reflexões, Outubro de 2003).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados