A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Contacto Os meus livros/eBooks
 

Filosofia, fé e felicidade - I

 

Todos queremos ser felizes, é uma asserção indesmentível. Por exemplo, Santo Agostinho procurou e encontrou a felicidade em Deus, outros pensam encontrar aquele bem espiritual em outros objectivos. Santo Agostinho não prejudicou ninguém com a sua escolha; poder-se-á dizer o mesmo de outras pessoas que querem ser felizes? Um breve olhar pelo que se passa à nossa volta dir-nos-á que não, que há quem não olhe a meios para alcançar a felicidade, mesmo que a sua felicidade espalhe infelicidade a outrem.

No Outono de 386, Santo Agostinho retira-se para Cassicíaco com o propósito de descansar do seu magistério e fortalecer a saúde, padecia de enfermidade desconhecida. Mas Agostinho não parte só. Como sente necessidade de comunicar-se com os outros no amor e na amizade, faz-se acompanhar de sua mãe, Santa Mónica, de seu irmão Mavígio, de seus alunos e concidadãos Trigécio e Licêncio, de seus primos Lartidiano e Rústico e de seu filho Adeodato, o mais novo dos elementos do grupo.

O motivo próximo da renúncia a uma vida agitada e mundana e a uma profissão parece ter sido uma forte dor no peito que impediria Agostinho de exercer a sua actividade. Foi talvez esta tempestade que o socorreu, desviando-o das coisas sensíveis e parte rumo ao caminho desejado.

Para além dos problemas de saúde, Santo Agostinho não terá sentido a doença como um aviso providencial? Os motivos de saúde são, com certeza, válidos, mas creio que secundários. O motivo principal da sua retirada é de ordem espiritual e religiosa.

Embora as discussões filosóficas manifestem profundas preocupações com questões relacionadas com o corpo, a alma, os vícios e a virtude, Deus, o espírito, etc., centram-se intencionalmente sobre o modo de obter a felicidade, sem que deixem de ser tratados aqueles temas, igualmente presentes nas suas reflexões,

Não espanta que o Santo tenha preferido, para uma das suas primeiras grandes reflexões, o tema da felicidade. Em todos os espíritos há um desejo universal que se manifesta de múltiplas formas e que impulsiona o homem a procurar a vida feliz, ou, de outra forma dito, o conforto repousante do seu ser. Santo Agostinho conta-nos, na sua obra De beata uita, como encontrou e realizou aquele desejo. Tão importante é este assunto que é a primeira das suas especulações, que ele não vê que mais mereça ser considerado um dom de Deus, por isso o grupo de Cassicíaco se ocupa do assunto com tanto entusiasmo.

As reflexões empreendidas em Cassicíaco revelam-nos a vontade de Agostinho em abandonar um certo tipo de felicidade terrena e de descobrir uma vida nova retirado de um certo mundo, respondendo à vocação que sentia em experimentar uma vida tendencialmente perfeita. Vida que não deixava de ressoar no íntimo da sua alma, desde a leitura de Hortensius de Cícero. Este sentimento inicial caracteriza a atitude de Agostinho como uma busca constante que o leva a auto-transcender-se e a procurar para além de si próprio.

Concretamente, em relação ao tema em análise, este movimento de auto-transcendência exerce-se no querer, no conhecer e o viver a própria felicidade. Este movimento ou desejo que leva o homem a procurar a felicidade acontece porque não é em si próprio que o homem pode encontrar o bem que o faça feliz, mas em algo que seja mais do que o próprio homem e que, por consequência, o transcenda. Esta transcendência não é, segundo Santo Agostinho, senão Deus.

Como todos os homens, Agostinho quer ser feliz. Em De beata uita ele faz um elogio à vida feliz. No entanto, não deixa de nos alertar para o facto da busca da vida feliz impor condições, uma delas exige que o homem tome consciência de si. Esta tomada de consciência, adverte ele, provoca no homem o sentimento de que está perdido, visto que fomos lançados para este mundo, um pouco ao acaso e sem orientação, por uma entidade que não sabemos bem qual é.
 

Perante esta situação e, até certo ponto, desconfiado da razão para lograr, por si só, o esclarecimento do caminho que pretende percorrer, Santo Agostinho far-se-á um defensor da Filosofia, entendida esta como busca e como meio para nos encaminharmos para a região sólida da felicidade. Contudo, não basta somente a prática filosófica, porque só será plenamente feliz o homem que regressar a Deus. E para regressar a Deus o homem tem que, primeiramente, conhecer a sua própria situação e, depois, dedicar-se ao conhecimento de Deus. Este parece ter sido o processo por que passou Agostinho. (continua). António A. B. Pinela, Reflexões.

 
 

LIVROS/EBOOKS

 

Horizontes da Filosofia

 
Para que serve a Filosofia
|

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

 
Vergílio Ferreira e o Existencialismo
 

Ciências da Educação: Glossário

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO/ENSINO

 
Disputatio International Journal of Philosophy
Encyclopédie de la philosophie
Educação

Ensino da filosofia

Erasmus
Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário
Philosophie & religion
Stanford Encyclopedia of Philosophy
 

CONSULTA ÚTIL

 
Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 
© 2003-2018 eurosophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 06/03/18