A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

 

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto
 

A felicidade é uma atitude perante a vida

 

«Todos os homens aspiram à felicidade».
Aristóteles

 

Como de muitas outras vivências mais profundas, todos temos uma noção pessoal sobre o que é a felicidade. No entanto, não é fácil explicar o que é, na sua plenitude, como não é fácil explicar os conceitos de «verdade», «justiça», «solidariedade».

 

Normalmente, quando pensamos em felicidade, atemo-nos aos afectos mais próximos, mas poucas vezes analisamos atentamente as suas causas: «O que é que nos faz feliz?» E também raramente colocamos a questão em termos mais profundos: «É possível que a felicidade (que vivo hoje) seja um estado permanente?»

 

É fácil confundir felicidade com bem-estar. Algumas pessoas tendem a interpretar mal o sentido dos bens materiais nas suas vidas, acreditando que estes lhes trarão a felicidade que antes não encontraram.

 

É verdade que os bens materiais nos proporcionam bem-estar: é mais cómodo ter à porta, ou na garagem, transporte próprio do que esperar, numa rua ou estrada, pelo transporte público; é agradável ter uma casa para viver; é necessário que tínhamos comida para nos alimentarmos. Mas a felicidade não advém literalmente dos bens materiais.

 

A felicidade é um conceito muito mais profundo: significa estabilidade, segurança, amor, reconhecimento, esperança. Com efeito, a felicidade não é a falta de problemas ou a ausência de dificuldades. Podemos ser felizes enfrentando uma dificuldade, porque a felicidade não é algo que esteja ausente de nós, mas sim um sentimento intrínseco ao ser humano.

 

Neste sentido, é muito difícil ser feliz com uma atitude de ressentimento ou de amargura perante a vida. Não se conseguirá ser feliz se estivermos obcecados por determinados bens materiais inalcançáveis ou se avaliarmos mal a nossa relação com outrem.

Viver de acordo consigo mesmo, não por mimetismo, alicerçado num conjunto de valores adquiridos e assimilados, proporcionará a estabilidade emocional necessária para nos sentirmos completos nos limites da nossa finitude.

 

Com efeito, a felicidade tem muito a ver com o vazio ou a plenitude do nosso ser e, por consequência, de nossas vidas no seu sentido mais profundo. A felicidade tem que transbordar de nós próprios ao nos darmos aos outros: a generosidade na amizade, a ajuda ao desvalido, o apoio nos momentos difíceis, a compreensão do outro torna-nos mais felizes e esperançosos.

 

A fonte mais poderosa para uma felicidade única corre quando nos damos aos outros. Porque o EU não é nada sem o OUTRO. Não existe socialmente.

 

Neste mundo global em que vivemos, onde impera o luxo e a usura, as novas tecnologias, os telemóveis e a Internet, é fácil centrarmo-nos em nós próprios e nos nossos problemas, como é fácil esquecermos os outros. No entanto, façamos a experiência: na medida em que nos preocupamos mais com os outros e menos connosco próprios resolveremos dois problemas: o da pessoa que ajudamos e o nosso, porque a nossa vida ganha novo sentido.

 

A felicidade também tem muito a ver com a atitude face aos problemas e preocupações, que estarão sempre presentes nas nossas vidas de uma forma ou de outra. Ora, é nestas situações que uma atitude positiva e uma esperança contínuas ajudam muito mais que uma atitude pessimista, que emerge em nós quando nos fechamos em nós próprios proporcionando uma visão «amarga» da existência.

 

Ser feliz não é um estado de ânimo momentâneo, é uma atitude constante. Ser feliz não é querer o impossível, mas sim o possível. Dizia um filósofo antigo: «Se não podes o que queres, quer o que podes.» (António Pinela, Reflexões, Junho de 2005).

 
 

EBOOKS/FILOSOFIA

 

Horizontes da Filosofia

|

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

|

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EBOOKS/EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

|

Ciências da Educação: Glossário

 

APOIO ESCOLAR

 

Fale connosco

 

Ensino da filosofia

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário

 

Amnistia Internacional

Erasmus

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Educação

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

© 2003-2017 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados

Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 14/06/17