A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Contacto Os meus livros/eBooks
 

A liberdade como característica do comportamento livre

 

Ao contrário dos processos naturais, ou necessários, e das acções que resultam da coacção e da violência, as acções humanas consideradas livres são intencionais, visam determinado fim, têm um motivo que as explica e incluem num projecto, bem como a decisão de um agente responsável. A intencionalidade é a característica fundamental do comportamento consciente e livre. A circunstância de ter feito, estar a fazer ou pretender fazer alguma coisa intencionalmente define a liberdade e a responsabilidade da conduta humana. Quando alguém prejudica outrem sem a intenção de o fazer, mas por acidente, não lhe causa dano livremente e por esse dano não é responsável.

A intencionalidade, por sua vez, implica, desde logo, o motivo, ou a razão de ser da acção e da sua finalidade. A acção é livre quando é capaz de justificar-se, de apresentar o seu fundamento ou razão, esclarecendo os motivos que a estimularam.

A razão de ser, ou motivo, que explica o acto livre, não é, porém, de modo algum, comparável à causa que provoca os fenómenos naturais. Os antecedentes das acções humanas só as determinam na medida em que a própria liberdade, interpretando-os desta ou daquela maneira, os converte em motivos ou razões. Se tais motivos ou razões, enquanto antecedentes, condicionassem necessariamente os actos humanos subsequentes, o comportamento humano não seria livre mas determinado.

A indicação do fim corresponde ao sentido da acção. O homem, como diz Hegel, é aquilo que faz de si mesmo, a série de seus actos. O que articula tais actos numa série coerente e ordenada, dando-lhes sentido, é o fim que pressupõem e que continuamente os liga uns aos outros.

Saber o que é uma pessoa é saber o que ela faz, e saber o que faz é conhecer o fim que se propõe alcançar ou realizar por meio daquilo que faz. A consciência prévia do fim, ou da causa final, como diz Aristóteles, é a condição de possibilidade da acção livre, enquanto acção que transcende o real, ou o dado imediato, para o converter num meio ao serviço da consecução do fim. Assim, por exemplo, é o objecto da ciência que determina o método e não o método que determina o objecto e, se para observar os astros utilizamos o telescópio, para analisar os micro-organismos empregamos o microscópio.

A noção de projecto implícita as noções de intenção e de finalidade, corresponde à estrutura prospectiva ou antecipadora da conduta humana. As três dimensões de tempo (passado, presente e futuro) correspondem, na nossa consciência, a memória, a percepção e a preocupação. Porque é livre e não determinado, o homem acha-se compelido a projectar a sua vida, a vivê-Ia antecipadamente, na forma de projecto, antes de vivê-Ia efectivamente, como realização do projecto. Fruto da imaginação criadora, o projecto constitui a dimensão poiética, no sentido etimológico, da existência humana, pois a capacidade de projectar o futuro coincide com a capacidade de transcender o real, negando-o inicialmente, pela imaginação e, em seguida, efectivamente, pelo trabalho. Imersa no tempo, ou na temporalidade, a consciência humana é estruturalmente prospectiva, ou projectiva, e é livre na proporção em que inventa a própria vida. A concepção do homem como projecto, já formulada na filosofia de Fichte, e implícita na teoria da praxis, foi retomada pela moderna filosofia da existência que, salientando a importância da imaginação criadora, identifica o homem com a sua liberdade.

O comportamento livre implica, finalmente, a decisão e o agente responsável. Se os motivos da acção jamais podem ser totalmente determinantes, a indicação do fim, a intenção de o realizar, a elaboração do projecto e a escolha dos meios adequados à sua efectivação, dependem da iniciativa do sujeito que, ao decidir-se, assume, ao mesmo tempo, a responsabilidade pela sua decisão. Ao reconhecer-se responsável pelos actos que pratica, o sujeito reconhece-se, também, como agente livre ou causa de tais actos, excluindo-os, consequentemente, do domínio da natureza ou da necessidade (António A. B. Pinela, Reflexões, Outubro de 2006).

 
 

LIVROS/EBOOKS

 

Horizontes da Filosofia

 
Para que serve a Filosofia
|

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

 
Vergílio Ferreira e o Existencialismo
 

Ciências da Educação: Glossário

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO/ENSINO

 
Disputatio International Journal of Philosophy
Encyclopédie de la philosophie
Educação

Ensino da filosofia

Erasmus
Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário
Philosophie & religion
Stanford Encyclopedia of Philosophy
 

CONSULTA ÚTIL

 
Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 
© 2003-2018 eurosophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 06/03/18