Philos + Sophia = Philosophia
 
 

Espaço de reflexão e de edição de textos de filosofia

 
 

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

 

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto Utilização de textos
 

Que é a filosofia?A filosofia e os filósofos, O ensino da filosofiaO estudo da filosofiaPara que serve a filosofia. Mais

 
   

O valor do trabalho

 

1. Venho de um tempo em que o trabalho era valorizado. Ser um bom trabalhador era motivo de orgulho. Até nas relações amorosas este atributo se fazia sentir: «Ele é bom rapaz e muito bom trabalhador», ou então, «é bom rapazinho, mas não gosta de vergar a mola», ouvia-se, com frequência, aos familiares das jovens que começavam a namoriscar.

Os rapazes sabiam que se lhes dava grande apreço pelo facto de se empenharem nas tarefas em que se envolviam. No trabalho agrícola, os bons trabalhadores ostentavam grandes enxadas. Quem levasse, para o trabalho, uma pequena ferramenta era logo apodado de mandrião e teria dificuldades em colher as simpatias dos pais das jovens. Nos trabalhos do campo, os melhores eram disputados pelos lavradores, e ganhavam mais que os outros, porquanto todos queriam os seus serviços.

O trabalho era, então, personalizado, tinha a marca de quem o executava. O trabalhador olhava para a sua obra e dizia, orgulhoso: «Fui eu que fiz». Via crescer o esforço do seu trabalho: a sementeira que desabrochava e dava frutos. «Tens um belo batatal»!, «Que viçosas estão as couves»! «Que sementes usaste?

Na marcenaria nascia, de mestras mãos, o móvel que alindaria o quarto de um jovem casal. Este móvel fora feito pelo mestre João. Na oficina de sapateiro, o senhor Joaquim desenhava, directamente do pé do cliente, as botas de atanado, para uso no Inverno, que lhe ficavam que nem uma luva. No escritório, um jovem, que estudara numa Escola Comercial e Industrial, desenhava, com diversos tipos de letra, os mapas contabilísticos onde registaria, com mestria e elegância, o Deve e o Haver que informava as contas de uma empresa. Tudo tinha que estar certo. Não se admitia sequer um erro de um tostão. Contas são contas.

2. O devir dos tempos trouxe também o devir das mentalidades. A partir dos anos sessenta, as relações de trabalho/produto passam por um novo processo, e descaracterizam-se! Os tractores, e outras alfaias agrícolas, lenta mas progressivamente, vão substituindo o trabalho humano, em massa. Com vantagens, mas também com desvantagens. Nas fábricas, as linhas de montagem substituem os operários, que manuseavam as peças. E o móvel já não tem o timbre do marceneiro. Os grandes mapas de contabilidade dão lugar às folhas A4 padronizadas. E, em todos estes casos, o produto do trabalho deixa de ter um protagonista. E, com raras e boas excepções, já não é fácil identificar quem talhou e costurou aquele casaco azul escuro, que o Senhor Ministro trazia vestido. É que, pelo recorte, não nos pareceu que houvesse ali mão de mestre alfaiate.

3. Nos anos oitenta, para «agravar» tudo isto, promove-se, até à exaustão, o sucesso individual. Não somos contra o sucesso individual, pelo contrário, mas com regras. Primeiro, nas Escolas Secundárias, valoriza-se excessivamente os cursos da moda. O ensino industrial e comercial tinha caído em desgraça, na década de setenta. Uniformiza-se e massifica-se o ensino. Valoriza-se uns cursos em detrimento de outros, como se o ser humano fosse apenas uma parte e não um TODO. Surge, assim, a Medicina como a rainha, que grande número de alunos quer servir ou dela servir-se. Pouco depois, impõem-se a Economia e a Gestão, que passam a ter uma forte concorrente: a Informática. E, devido à sua divulgação e publicidade, todos os miúdos querem tirar um destes cursos, dado que os órgãos de comunicação social, directa ou indirectamente, fazem apelos constantes ao sucesso, mas não ao sucesso partilhado.

E relacionado com a produção, o que se mostra? Não se mostra o grupo, a fábrica ou a escola, que criou determinado produto, ou formou determinado técnico, mas sim o indivíduo, ou seja, o médico de sucesso, o economista e gestor de sucesso..., enfim, aquele que pelos seus desempenhos ou características emergiu do grupo. Esquece-se, assim, que ninguém triunfa sozinho. Por muito bom que se possa ser, há sempre alguém que, neste ou naquele tópico, é melhor do que nós. E o produto do trabalho, queiram ou não os individualistas, é sempre o resultado de múltiplos contributos, de um ou vários grupos.

Podemos dizer que o que se passa em Portugal, a partir dos anos oitenta, pode ilustrar-se com este pequeno texto: «Quem ganhou a batalha não foram os soldados que combateram o inimigo, mas sim o general que, na retaguarda, ordenou aos militares que avançassem». Quem é condecorado? O general, enquanto alguns soldados caiem nas trincheiras! Não é o que se passa com as condecorações?

O trabalho, porque está descaracterizado, é constantemente desvalorizado. E, como consequência, o trabalhador passa a ser equiparado a uma máquina que, como dizia Gabriel Marcel, logo que deixe de dar o rendimento previsto e programado é arrumado num velho armazém, para que, talvez um dia, possa ser reciclado, se tal vier a ser considerado útil para a tal produtividade.

4. Nos tempos hodiernos, fazem-se apelos, todos os dias, à produtividade, mas, ao mesmo tempo, os mesmos desvalorizam o trabalho. Aliás, com o desejo abrupto de introduzir mudanças nas relações de produtividade, que não de trabalho!, cada vez mais se perde o sentido do valor deste. Aquela elite, muito bem formada, pelo menos a seus olhos, saída dos anos oitenta, ainda não entendeu, e temo que nunca venha a entender, que o trabalho é a única fonte de riqueza. Conhece outra?

Ora, se isto é verdade, porque será que não se aposta na valorização do trabalho, sabendo que ao valorizar-se o trabalho está a reconhecer-se a dignidade de quem trabalha e, como consequência, a aumentar a produtividade? Não nos esqueçamos que a máquina nunca poderá substituir o Homem. Podem os empresários equipar as empresas com a tecnologia mais sofisticada do mercado, que mesmo assim necessitam do desempenho humano, nem que seja para seleccionar o botão, de um qualquer computador, que em determinado momento é preciso premir. Aposte-se na valorização do trabalho e logo se verificará que a produtividade aumenta.

5. Diz-se muito, hoje, que os portugueses, em Portugal, produzem pouco. Já se vê que quem diz isto está a colocar-se de fora. Faz um metadiscurso. Ele produz muito, os outros é que não. Nós somos assim: «vemos a pau de fósforo no olho do outro, mas não vemos a tranca no nosso». É humano. No entanto, a todos aqueles que pensam que a culpa é sempre dos outros, recomendo que meditem na frase que estava escrita no templo de Delfos e que a Pitonisa recomendou a Sócrates: «Conhece-te a ti mesmo». (António Pinela, Reflexões, Julho de 2002).

 
 

LIVROS / EBOOKS

 

FILOSOFIA

 

Para que serve a filosofia

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

A Felicidade Segundo Santo Agostinho

A desigualdades entre os homens segundo Rousseau

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Como Organizar Um Trabalho Escolar

Ciências da Educação: Glossário

 

ARQUIVO

 

O pensamento mítico

Pensamentos

Programas de Filosofia (10.º, 11.º e 12.º anos) V

Provérbios

Sabia que...

Os Sete sábios da Grécia

 
© 2003-2016 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos
EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos Última actualização: 01/01/16

Contacto