EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Os meus livros/eBooks

Contactos

 

A REFORMA DO ESTADO…

 

Amiúde vem à baila a dita “REFORMA DO ESTADO”.

Ouvimos e vemos nas TV’s e lemos nos jornais que urge que Portugal faça as Reformas Estruturais. Reformas e mais reformas é o que reclama a direita, direitíssima, portuguesa, sobretudo aquela que governou no período da TROIKA, e agora, a contragosto, está na oposição. Mas, políticos, amanuenses e comentadores, tudo pessoas bem-pensantes apenas nos dizem: é preciso fazer a Reforma do Estado. Mas ficam-se por aqui. Não dizem quais as Reformas que é preciso fazer e, consequentemente, como as realizar. Pois é: dizer é uma coisa, fazer é outra, bem diferente, não é?

Questiono-me, então, será que estes sapientes “sabem” do que falam, ou falam de outiva, ou apenas correm atrás dos modismos para assinalarem: «eu estou aqui, também percebo da coisa, convidem-me para debates…»

Alguns, os mais afoitos, vão apontando as suas reformas: temos que acabar com as grandes filas de espera nos aeroportos, devido à deficiência dos serviços; não devemos permitir que o país arda mais e morram mais pessoas, devido à falta de coordenação de meios; que se apetrechem os quartéis para que não roubem mais armas… e outras coisas similares.

Outros, ainda mais “informados” vão dizendo que é preciso fazer muitas reformas, e dão alguns exemplos: O Serviço Nacional de Saúde, A Segurança Social, O Ensino Público, as Leis do Trabalho e acabar com “O modelo hostil à União Europeia, que perfilha o Modelo [neo] liberal…” Enfim, dizem os mesmos, que “precisamos de fazer reformas que tornem o Estado menos oneroso e mais eficiente” e “que se apoie mais a iniciativa privada". Tudo isto para criar aquilo que a direita retrógrada gosta muito: um Estado Mínimo. Porque uma política que fortaleça o Estado Social é algo que os repugna.

Os sábios a que me refiro, que tenho de ouvir e ler para os perceber, apelam, portando, a que o governo faça reformas, falando delas muito vagamente, para confundir o auditório, não indicando nada em concreto.

Seria interessante, e pedagógico, que tais personalidades dissessem claramente ao que vêm: que reformas querem, como as implementar? Desta forma dariam um forte contributo para o debate público de tão importantes medidas que defendem, e para o desenvolvimento sustentável do País, que tanto reclamam.

Deixem-se de apregoar loas que ninguém entende e digam ou escrevam palavras e textos que o povo perceba. Não falam para correligionários, apaniguados ou para amos. Falem claro e para todos (António A. B. Pinela, Reflexões, Setembro, 2017)

 
 
 
 

TEXTOS

Agostinho e o retiro de Cassicíaco

 
Felicidade e conduta humana
 
A exigência do rigor reflexivo
 
A natureza humana
 

EDUCAÇÃO/ENSINO

Disputatio International Journal of Philosophy

Encyclopédie de la philosophie

Educação

Ensino da filosofia

Erasmus

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário

Philosophie & religion

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

CONSULTA ÚTIL

Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

 
© 2003-2019 www.eurosophia.com - Todos os direitos reservados Webmaster: arb.pinela@sapo.pt
Sobre o autor dos textos Última actualização: 16/03/19
Utilização de texto

Contacto