A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

Quem tem medo da Filosofia (2)

 

Por que pretende a Sr.ª Ministra da Educação acabar com os exames de Filosofia, no 11.º ano, já no próximo ano lectivo, sabendo que com esta atitude, fará com que os alunos se desinteressem por esta disciplina, dado que não têm que fazer o exame?

Ocorre-me colocar as seguintes questões: 1. a) Não é verdade que, não havendo exames, não haverá tanto empenho por parte dos alunos pela aprendizagem das temáticas filosóficas, passando a Filosofia a disciplina residual? b) Os jovens não devem ocupar-se, com interesse, pelas “coisas” mais profundas da existência humana? c) Os alunos não têm o direito a exercitar o pensamento discursivo? d) Pretende-se criar mentes fechadas e não seres pensantes? e) Passaremos, assim, a ser apenas seres executantes? f) Deveremos, então, preocupar-nos somente com os planos tecnológicos e com a tecnocracia? g) Não é importante, para a formação crítica do aluno, ser capaz de descodificar as mensagens ardilosas que, todos os dias, assolam as mentes das nossas crianças e jovens, através da Televisão, da Internet, e de outros meios de comunicação? h) Os professores de Filosofia deverão passar, agora, a leccionar temáticas relacionadas com o luxo e a usura, as vaidades e o ego, as vanidades e banalidades “VIPianas” veiculadas pelas revistas ditas cor-de-rosa e de telenovelas? i) Isto é, deverá a Filosofia, a partir deste momento, alinhar no apelo ao consumismo desenfreado, a que conduz a não reflexão sobre as coisas?

2. Noutra dimensão, não é importante analisar, reflectir e tomar posição, de modo apaixonado, esclarecido e interessado, sobre: a) A crise dos valores tradicionais? b) As crises religiosas? c) O aproveitamento da ignorância religiosa? d) Os fundamentalismos? e) O descrédito das ideologias e das políticas? f) As constantes mutações sociais? g) As ameaças generalizadas (e consumação terrorista) à integridade de pessoas e bens? h) Os novos problemas causados pelo fenómeno da globalização? i) Os novos fenómenos laborais? j) As leis – que são convenções elaboradas por alguns homens – serão para ser cumpridas por todos ou só quem não as faz deve cumpri-las, ficando isentos do seu cumprimento o legislador e os poderosos? k) As regras do dever serão uma ilusão ou realidade, invenção dos homens ou expressão da vontade divina?

3. Finalmente, questionemos, ainda: a) Pretende-se, com esta “política educativa e cultural”, que ignoremos as raízes da nossa cultura, para que nos tornemos seres emergentes e acéfalos? b) Ou será que ensino da Filosofia é inquietante e inoportuno porque desenvolve o pensamento hipotético, a reflexão, o sentido crítico, a liberdade de opção, no verdadeiro sentido da palavra, espicaça as mentes adormecidas e, com esta prática, poder-se-á pôr em risco interesses instalados? Diz filósofo português Álvaro Ribeiro que «O pensamento humano só assume claridade pela reflexão filosófica.» Quem não entende isto?

A Filosofia, de facto, não ensina como pregar um prego numa tábua, como fazer um plano contabilístico, como descobrir a cura para a doença que atormenta um nosso familiar ou amigo, não respondendo às nossas angústias, consequências da vida. Mas «A Filosofia, se não pode responder a tantos enigmas como desejaríamos que respondesse, tem o poder, pelo menos, de fazer perguntas e de levantar problemas, que tornam o mundo muito mais interessante e que mostram o estranho, o maravilhoso, logo por baixo da flor da pele das vulgaríssimas coisas do comum.» (Bertrand Russell).

Sabemos que existem pessoas que não gostam nem acreditam na Filosofia. Estão no seu pleno direito. Mas estes quando, ocasionalmente, têm o poder (efémero) de legislar sobre a matéria, não têm o direito de privar os outros da vivência da Filosofia! Porque se há quem não acredita, «Eu acredito na Filosofia, tenho a certeza de que de hoje em diante não há futuro senão nela. Ouçam, em tudo o resto, a morna repetição…» (Michel Serres, Diário de Lisboa, 22.5.1981).

É preciso ter coragem para resistir aos ataques que a Filosofia tem sido alvo, particularmente, nas últimas duas décadas. Com efeito, «A coragem filosófica é a coragem da razão, porque a intenção filosófica, no fim de contas, não é mais do que a intenção racional do homem. A filosofia é a razão humana intencional, conduzindo corajosamente a sua acção e a sua obra até ao fim das suas capacidades.» (J. Vialatoux).

Para alguns espíritos tidos com práticos e mesmo cultos, pelo menos a seus olhos, a Filosofia não passa de assunto sem assunto para que lhe possam consagrar algum do seu tempo precioso. No entanto, ficam boquiabertos, muito espantados e até irritadiços, quando as suas certezas, ideias e evidências, que nunca lhe despertam dúvidas, são postas em causa quando são objecto de exame filosófico sério e sujeitas ao contraditório. Para os filósofos, os homens que se dedicam constantemente à procura da verdade, todas as certezas são transitórias. Como a experiência tem ensinado, não há praticamente ideias, conceitos ou evidências que não estejam sujeitas ao escrutínio. Todos os problemas aparentemente resolvidos, como questões políticas, económicas, sociais ou epistemológicas são permanentemente objecto de reanálise

Não basta que o homem explique e classifique todos os factos e seres que conhece. Se só isto fizesse, o homem sentir-se-ia perdido, fragmentado. O homem sente necessidade de ligar, entre si, todos aqueles conhecimentos e seres que conhece, tem necessidade de organizar um saber mais englobante e este só pode acontecer se procurar as suas causas e princípios: estas são tarefas da Filosofia. Haverá tarefa mais apaixonante, para o homem, do que a abordagem, análise, reflexão e compreensão destes problemas? Nada há mais importante na vida das pessoas do que tratar de assuntos que mais directamente as implicam, como a sua vida e o que as espera. As ocorrências que mais afectam a humanidade são a pobreza, a indigência, a doença, a guerra e a morte. Mas a infelicidade maior advém-lhe do facto de ignorar para que nasce, sofre e morre!

É preciso ganhar os alunos, os jovens, todos, para a prática da autonomia do pensamento. Esta prática exige motivação, trabalho organizado, autonomia do pensamento. (António Pinela, Reflexões, Novembro de 2006).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados