A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

Incompatibilidade entre Política e Religião

 

Segundo o pensamento Ocidental, a religião praticada maioritariamente pelos cristãos é de tipo racional. Isto é, os ocidentais separam facilmente a fé do fundamentalismo (redução da vida à religião). Para os cristãos, uma coisa é a fé, a sua crença em Deus; outra coisa, bem diferente, é a vida quotidiana. E a Política insere-se nesta categoria. Desta forma, facilmente o homem religioso separa, em cada momento da sua prática, o espaço sagrado do espaço profano. Aliás, o sagrado e o profano são duas categorias bem definidas no espírito discursivo. É esta capacidade de discernimento que, por exemplo, marca a diferença entre cristãos e islâmicos.

Aprendemos, desde cedo, a não misturar as águas, porque, já o sabemos, quando se misturam ficam turvas. Aliás, também aprendemos com os erros do passado. E o que nos diz o passado? Diz-nos que sempre que misturamos religião com política, as coisas da vida não correm muito bem. Para ilustrar esta ideia basta que recordemos a chamada «Santa Inquisição», misto de política e religião. E o que aconteceu com esta mistura imprudente? Perseguições político-religiosas, deportações, assassinatos. Este é o corolário inevitável da não separação da vida religiosa da vida política.

Outra razão, de entre muitas outras, que aconselham a que estas práticas ocorram separadas, é o facto de existirem múltiplas ideologias políticas que, não raro, são antagónicas. Numa linguagem mais corrente, diremos que existem as ideologias neo-liberal, liberal, social-democrata, socialista e comunista. Ou, menos correctamente, existem as ideologias de direita e de esquerda. Ora, em cada uma destas ideologias encontramos homens e mulheres que professam religiões comuns. Esta realidade é mais do que suficiente para que defendamos que religião e política não são misturáveis. Não sendo incompatíveis revelam incompatibilidades.

Vem a nossa reflexão a propósito do que se passa no Iraque pós Saddam, e que nos leva a questionar: Terminou a guerra no Iraque? Não. Calaram-se as grandes máquinas de guerra, terminou o aparato bélico americano, terminou o horror que se abateu sobre aquele povo martirizado por Saddam e pelas armas da «Coligação»; mas não terminou a guerra, ou seja, agora começo outra guerra: a guerra da sucessão, que será, provavelmente, uma guerra religiosa, a guerra da afirmação de um povo que se sente ocupado e ofendido, que vê na religião a única forma de exorcizar o inimigo invasor que ocupou a sua terra.

E é aqui que continua o dramatismo deste povo, talvez por incapacidade imediata para racionalizar, a quente, as duas vertentes da praxis humana: a política, a arte de bem governar a polis, e a vida religiosa, o espaço de ligação entre os homens que comungam os mesmos princípios religiosos e defendem os mesmos dogmas. É esta circunstância que ainda trará muitos e profundos problemas àquele povo sedento de paz, harmonia e subsistência.

Observe-se o que já está a acontecer: uma das poderosas forças religiosas quer impor à outra os seus pontos de vista, querendo implantar um estado islâmico, portanto, um estado religioso, teocêntrico, obediente e temente. Esta emotividade religiosa, dogmática, fechada, irracional, ainda não entendeu a gravidade da situação; ao invés de procurar consensos alargados, que vá ao encontro dos ideais do maior número possível de líderes e do povo iraquiano, que é «correr com a coligação», quer impor, aos outros o que não quer que lhe imponham a si! Chama-se a isto irracionalismo puro, cegueira religiosa, o fundamentalismo que não é capaz de entender que cada pessoa desenvolve o seu ponto de vista político e o seu modo de estar na religião ao longo da maturação do seu processo formativo, cultural e psicológico.

É esta a grande diferença que notamos, no nosso tempo, entre os povos cristãos e islâmicos. Aqueles sabem separar a vida sagrada da vida profana, defendendo, por isso, estados laicos; estes não são capazes de separar o que não é unificável e defendem estados religiosos, onde tudo se confunde. É a cultura dos povos. (António Pinela, Reflexões, Abril de 2003).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados