A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

A religião e os oportunismos

 

A religião emerge de contextos culturais específicos. Com efeito, antes de se considerar o homem como um ser religioso, ele é um ser natural que, lenta e progressivamente, vai sendo aculturado. Assim, empregando uma terminologia clássica, o homem pode ser definido como animal racional (porque dotado de razão), como animal político (porque é um ser gregário que vive em sociedade), mas também pode definir-se como animal religioso (porque os valores religiosos lhe são essenciais). A história confirma esta característica essencial ao apresentar o homem e a religião inseparáveis.

Não se conhece povo que não tenha a sua religião. Desde o culto de Osíris, no Egipto, e o culto da antiga Babilónia, 2000 a.C., onde o código de Hamurabi apresenta a teologia de Marduk como religião do Estado; desde as diversas formas que a religião foi adquirindo na Grécia e em Roma, antes do cristianismo, o sentimento religioso tem sido inseparável do homem.

Mas a evolução da vida social leva ao aperfeiçoamento da religião. E os velhos politeísmos começam a ser postos em causa, passando-se a dar maior sentido ao aspecto da imaterialidade da religião. A fé passa a ser mais subtil e mais esclarecida e, daí, decorrem as chamadas religiões superiores. Isto é, desenvolvem-se as ideias monoteístas que irão dar corpo à ideia da existência de um só Deus, criador de toda a vida, no qual se passa a acreditar.

Nas grandes religiões monoteístas (Judaísmo, Cristianismo e Islamismo), os homens acreditam na existência de um só Deus, distinto do Mundo, transcendente e Princípio Absoluto de toda a Realidade. Deste modo, o monoteísmo marca o estado mais elaborado da religião e é tido como um processo purificador do politeísmo.

Estas três religiões comportam alguns traços comuns, como por exemplo: a semelhança na superior afirmação na existência de um só Deus; o estabelecimento na vida de uma prática moral; e o aperfeiçoamento da pessoa humana através de preceitos das regras de conduta que enformam estas religiões.

A primeira religião a tornar-se monoteísta foi o Judaísmo. Para o povo Judeu, Javé revelou-se a Moisés como Deus único e pessoal. Esta revelação encerra-se no Antigo Testamento. Registe-se que o Judaísmo foi de relevante importância para a formação das outras grandes religiões monoteístas: o Cristianismo e o Islamismo.

O Cristianismo é a religião criada por Jesus Cristo. Para os Cristãos a Revelação de Deus está intimamente ligada à pessoa de Jesus e os Evangelhos (Novo Testamento) são o testemunho da sua vida (relato descrito pelos seus discípulos, depois da sua morte, baseado na memória dos que o tinham conhecido).

O Islamismo é a religião muçulmana, fundada pelo profeta Maomé e é baseada no Alcorão ou Corão, livro sagrado do Islão que lhe foi revelado por Alá (ou Allah), o seu Deus.

Dito isto, que é então a religião? A etimologia tradicional faz derivar a palavra religião do latim: religio, religare (religar, ligar bem), o que nos permite afirmar que a religião é, assim, uma ligação entre os homens.

Consequentemente, a religião pode, portanto, definir-se como um sistema de crenças (dogmas) e de práticas (ritos) relativos ao sentimento da divindade (ou realidade sagrada) e que une na mesma comunidade moral (Igreja) todos aqueles que a ela aderem.

Toda a religião se funda sobre uma revelação, cuja condição histórica pode ser a história exemplar de um povo (Judaísmo), ou de um profeta, cujos ensinamentos e modelo ideal de vida são conservados pela tradição (Cristianismo, Islamismo).

Os dogmas religiosos significam a doutrina estabelecida dentro de uma religião, aceite e seguida pelos seus membros e determinam que a Igreja ensina em nome de Deus e da Revelação. Os dogmas, assim entendidos, são sinónimos de verdades reveladas, porque são objecto da fé, impostas pela autoridade da Igreja e aceites sem crítica nem exame. Eles são apresentados como irrefutáveis porque foram criados por inspiração de Deus, ser sobrenatural que os homens devem adorar. É através dos ritos, conjunto de cerimónias prescritas para a celebração do culto, que, normalmente, os homens adoram a Deus, em local designado Igreja que congrega os fiéis ligados pela mesma fé.

Que procuram os crentes através das práticas religiosas? À semelhança de outras práticas humanas, a religião procura dar respostas a problemas fundamentais que sempre têm impressionado a humanidade. Sabemos que a Filosofia se interroga acerca da origem do Homem e do Cosmos, do sentido da vida e do nosso destino, da imortalidade da alma ou da vida eterna, etc. Estas são preocupações que também sensibilizam, embora de modo diferente, a Religião. Enfim, através da religião o homem procura as respostas – que o satisfaçam – que à luz da razão não são fáceis de entrever. Deste modo, o homem precisa de recorrer a uma entidade superior que o ampare na angústia e na dúvida, que o conforte na dor e no desespero.

A influência da religião, pelas suas características, faz-se sentir a todos os níveis da praxis humana. Consoante os quadrantes culturais, a sua intervenção é sentida a nível político, económico, cultural e social. Assim sendo, e dada a sua influência na vida dos povos, os mais lúcidos deveriam, não servir-se dela, mas denunciar oportunistas que, em seu nome, a utilizam para fins que não sejam aqueles que a sua essência determina. (António Pinela, Reflexões, Setembro de 2006)

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados