A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

Os Caminhos a Percorrer

 

Dizia Jean Paul Sartre, que o «Homem faz-se a si mesmo». Esta afirmação deu azo a polémicas várias. Para uns, a proposição significava o puro materialismo, retirando do homem a sua componente divina; para aqueles que desta forma pensavam, «o homem é feito à imagem e semelhança de Deus», e estariam, assim, a laborar no puro essencialismo, pensariam outros. Não foi Sartre quem provocou todo este alarido. O que o filósofo quis dizer é que o homem concreto não pode esperar que lhe indiquem o caminho. Tem que ser ele a procurá-lo e a percorrê-lo. Todos os que ficam à espera que lhes mostrem o caminho são figuras apagadas, mas que querem fazer querer que até têm ideias, projectos, escolha de caminhos. Nada mais falso, porque são falsos caminhantes, ou melhor, são caminhantes sem caminho, porque o caminho que pretendem percorrer não é o seu, mas de quem lho indicou, alguém mais astuto, mais calculista, que convence o outro a pensar que vai fazer um grande figurão!

Estes caminhantes sem caminho são figuras instáveis. Hoje, e dada a sua submissão, mostram determinado carácter e personalidade, amanhã mostram outra face, qual feijão frade!, mais de acordo com a ocasião, mais de acordo com interesses obscuros, que não os seus. É uma pena que assim seja, porque todo o ser humano tem o direito e o dever de exigir de si próprio, enquanto ser interventivo na sociedade, que desbrave o seu próprio caminho. Com efeito, como escreveu Karl Jaspers, «o homem é um ser a caminho», como tal, chegada a idade da responsabilidade tem a obrigação ética e moral de se libertar de caminhos alheios, afirmando-se de pleno direito, perante si próprio e a sociedade em que se insere. Se assim o não fizer, não passará de um títere. Alguém que apenas percorre trilhos que outros fizeram; dirá o que outros disseram; fará o que outros fizeram; repetirá. Mas tudo isto sem inovação, sem rasgo nem criatividade.

Todos nós aprendemos com as experiências anteriores. E estaremos sempre a aprender, enquanto as nossas faculdades intelectuais o permitirem. Mas aprender com as experiências dos outros não significa repetir, ipsis verbis, o comportamento e atitudes alheios. Isso é puro mimetismo.

A inovação, a criatividade e a afirmação de cada um é que faz de cada um aquilo que cada um é, é que faz a diferença. Nós somos o que fazemos e não aquilo que pensamos que somos. Nem tudo o que parece é. As aparências iludem apenas os incautos, mas quando estes descobrem que foram enganados não mais perdoarão que os ludibriou.

O ser caminhante, aquele que não desdenha das experiências anteriores, mas que inova, cria e se afirma enquanto pessoa, tem um só carácter, como Camões, «de antes quebrar que torcer», uma só personalidade, escolhe, sem reservas mentais, um caminho e segue-o. Não podemos dizer do mesmo objecto que é circular e quadrado ao mesmo tempo. Tal afirmação rompe com as regras da lógica e do bom senso. Não se pode afirmar e negar a mesma coisa ao mesmo tempo.

O homem pode e deve aperfeiçoar o seu percurso. As coisas da vida não são tão definitivas, simplesmente porque estão em projecto. Não é o ser humano um projecto, que se vai realizando no decurso da sua caminhada?

Para que nos tomem por sérios, com carácter e dignos não podemos ser hoje uma coisa e amanhã outra. Em todas as circunstâncias, a ética da responsabilidade exige que sejamos iguais a nós próprios. Senão, não passaremos de uns «faz de conta», mas que nada conta senão para o próprio, que faz de conta!

É difícil ser-se coerente? É. No entanto, é a coerência da experiência, do fazer e do dizer próprios, do estar e do ser próprios que faz de nós o que efectivamente somos. Que cada um escolha um caminho e o percorra: Um caminho já pronto, ou um caminho a fazer. Eu aconselharia a que optasse pela segunda via. Tem mais sabor, de saber. (António Pinela, Reflexões, Dezembro de 2002).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados