A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

O Eu, a Mudança e a Decisão

 

A identidade do EU não é unívoca. Ou seja, em cada um de nós, seres conscientes, coexistem sempre dois «eus»: o eu interior e o eu exterior.

Diga-se o que se disser, ninguém é totalmente transparente, nem tal poderia ser. Há sempre um espaço que é muito íntimo e próprio, que apenas diz respeito a cada um de nós. As nossas sombras interiores, os pensamentos mais íntimos, os motivos das nossas angústias, as razões dos nossos desesperos, a profundidade da nossa tristeza, as nossas indecisões não são repartíveis, são vividas em solidão. São pertença própria e intransmissível, mesmo que alguém nos queira ajudar.

O Eu íntimo está reservado para a felicidade, a contradição, o sofrimento e a reflexão sobre o que há de mais profundo na vida humana: a identidade da pessoa consigo mesma. O eu exterior é aquele porque somos conhecidos pelos outros e faz de cada um, o que cada um vê em nós. É por isso que não somos vistos nem considerados por todos da mesma maneira.

Naturalmente que o eu íntimo ou interior influencia o eu exterior e vice-versa. Alias, há uma dialéctica regular entre os dois «eus», sem a qual não teríamos vida própria e seríamos apenas joguetes do exterior. A simbiose desta dialéctica só é apreendida por quem connosco priva muito proximamente.

O EU, aquele que faz a síntese entre os dois «eus» tem múltiplas características. Falarei apenas de duas: a resistência à mudança e a indecisão.

Não é fácil mudar… Não é fácil mudar de emprego, como não é fácil mudar de situação ou de atitudes. O homem é um animal de hábitos, que se vão enraizando, tornando-se costumes. No entanto, sem mudança não há avanços, e num processo de mudança, temos que estar preparados, na medida em que haverá sempre ganhos e perdas.

Quem já alguma vez mudou, na sua vida, seja de emprego, nas suas atitudes ou de situação sabe isso muito bem: que a mudança trará sempre ganhos e perdas. É inevitável. Mas porque mudam as pessoas? Porque a vida, em si, é uma constante mudança. Tudo muda: o novo de ontem, é o velho hoje; a alegria que transbordava em nosso peito, por uma qualquer razão, deixou de pulsar, e agora estamos tristes; a resistência física que um dia tivemos transformou-se e vai fraquejando; a capacidade de trabalho que era forte vai diminuindo; o Outono substitui a Primavera, e os dias tornam-se mais cinzentos e tristes. Tudo muda.

Sendo a mudança um imperativo da vida, porque resistimos tanto a ela e não tomamos as decisões que nos possam trazer outro amanhã, outro alento, outras vivências, outro olhar?

A decisão é (deverá ser) o resultado de um processo reflexivo e solitário, porque é o encontro do eu interior com o eu exterior. Este resultado, para produzir eficácia, deverá ser conhecido. Ora, o que ocorre muitas vezes, com os seres humanos, é que a decisão é tomada interiormente, mas não o é exteriorizada, logo, deixa de ter o sentido prático pretendido. E é esta aparente incongruência que perturba.

Mas há vida para além de cada um de nós, há teias cerzidas no tempo, há compromissos, responsabilidades que paulatinamente se assumem…

É por isso que nem sempre tomamos as decisões no momento oportuno, mesmo que tal comportamento nos traga amargura, mal-estar, perda, sofrimento, dor. São as contradições da vida. (António Pinela, Reflexões, Agosto de 2005)).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados