A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

A Resistência à Mudança

 

1. A vida está em constante mudança, mas, não raro, ignoramos que assim é. No entanto, se nos dermos um pouco à reflexão, verificaremos que a mudança começa em nós, tanto física como psicologicamente. Todavia, não queremos acreditar na verdade que vivemos. É mentira, nós não mudamos. Só os outros mudam. Mas nós, mesmo a contra-gosto, lá vamos mudando! Que chatice termos que constatar que afinal não somos eternos. Dizia Parménides que «o que é, é», «o que não é, não é». E que «só o que é, é eterno». Com efeito, o ser humano não é, porque está sendo, logo está sujeito ao devir universal.

O ser humano, as coisas, os ambientes estão em permanente devir. Queiramos ou não, é assim. Todavia, somos muito resistente à mudança. Aliás, o ser humano, por mais que diga o contrário, é muito conservador. Desde logo, porque não quer aceitar a sua própria mudança: a custo, vai dizendo que já nota algumas mudanças físicas ou biológicas, mas a nível psicológico, lá isso é que não! Está tudo na mesma! E ao nível da mentalidade, também mudamos? É óbvio. E até, por vezes, o admitimos. Mas atenção, admitimos esta mudança quando ela nos convém! Admitimo-la quando, por exemplo, queremos dar uma de moderno, de actualizado, a par dos tempos que correm, etc., não vão os outros pensar que parámos no tempo, isso pode trazer-nos uma imagem de parolo, de provinciano que não acompanha as modernices mundanas das Revistas e da Televisão. O Homem do nosso tempo tem muito medo disso. Não se assume. Por isso, para mostrar que acompanha a escalada da era da globalização (sim, porque também, nesta área da praxis humana, se faz sentir a globalização), faz muitas vezes figuras tristes!

2. E na política, admitimos a mudança? Canta-se em coro a dizer que sim. Mas neste sector ainda somos mais resistentes. E aplica-se o mesmo princípio, de que já falámos nos parágrafos anteriores. Dizemos que sim para agradar, para mostrarmos que somos democratas, porque senão ainda nos consideram conservadores, ou até mesmo reaccionários.

Mas é, talvez, no campo da política que a resistência à mudança causa mais estragos e cria dificuldades. Fala-se muito em alternância de poder, princípio vital da democracia. Todavia, fala-se pouco de alternância quando se está no poder, e muito quando se está fora dele. E quem se habituou a estar, por muito tempo, dez, quinze, vinte ou mais anos no poder, foge da palavra alternância, como o diabo da cruz, não vá este tecer os pauzinhos e provocar a dita.

Esta resistência à mudança fervilha por aí, sente-se a todo o momento, tropeçamos com ela a cada passo que damos. Mas não é só nos políticos que ela é notada. A resistência ao devir político está nos políticos sim, mas também está em toda a hierarquia, nos quadros, até chegar ao porteiro; está no exterior da política assumida. Não acreditam?

Ao longo dos tempos vão-se instalando interesses, cumplicidades, algumas amizades, simpatias... E quando se está muito tempo num sítio acabamos por considerar que o sítio é nosso; ou que podemos fazer o que queremos daquele sítio, ou que podemos utilizar aquele sítio sem que para isso tenhamos que o requerer, etc., etc., porque nos habituámos mal.

E então utilizam-se as mais estúpidas artimanhas para tentar contornar a democracia, a legalidade, o legítimo poder. É confrangedor observar como alguns simplórios pretendem ignorar a mudança efectiva, e o legítimo poder, aquele que é outorgado pelo povo. Esquecem-se alguns auto-democratas que, com a sua atitude, caiem no pior dos ridículos, marginalizam-se, auto-flagelam-se, enfiando-se no campo da 'empatocracia' e da obscuridade.

3. Pensava eu que 28 anos de vivência democrática era o suficiente para que toda a gente soubesse o que é a democracia. Mas estou enganado! Felizmente que a maioria há muito que conhece a democracia e sabe o que é viver democraticamente. E são poucos, uma minoria, que persiste em não aprender o que o tempo ensina. Olham para o passado, para o seu passado, alegram-se com ele, e sonham, sonham, sonham... e deleitam-se sonhando, pensando que um dia voltarão os cantares dos hinos adormecidos nos baús da ignorância; sonham pensando que um dia a sua «democracia» será reposta; que o seu poder, não o do povo, vingará; que, então, logo que tudo esteja conforme a sua vontade, serão ajustadas as contas... São os Velhos do Restelo, que de tão velhos que são já tocam com os narizes nos joelhos, por isso não vislumbram um palmo à sua frente, e vergam-se perante quem os engana, convencidos de que lhes estão a indicar o caminho. E, de facto, estão. Mas o caminho do passado, turbulento, cheio de espécies daninhas, que só conta para os arquivos, os anais da história. Mas isso basta-lhes, porque, como disse supra, aquelas criaturas vivem do sonho, mas não do sonho que comanda a vida, porque este é saudável, útil, necessário e reformador.

Como estão convencidos de que aquela é a forma mais correcta de estar vida, vão cometendo pequenos erros, porque também não se lhes dá possibilidades para que conjecturem erros maiores; vão cometendo atropelos propositados; depois, angelicamente, voltam atrás, admirados, porque alegam desconhecer os procedimentos. São obrigados a desfazer os erros, para irem vivendo socialmente. Mas sabe Deus, a que custo!

4. Não há mal nenhum em pertencer a uma minoria. Devemos aceitar as contingências da vida e, no caso concreto da política, tentar, por via democrática, alterar a situação. Todo nós, num determinado momento, fizemos, e faremos, parte de uma qualquer minoria, seja política, religiosa, estética, filosófica ou outra. E, às vezes, vale bem mais pertencer às minorias. Quem disse que as maiorias têm sempre razão?

O conhecimento, as doutrinas, a arte, o pensamento, a ciência, enquanto produtos da praxis humana, são fruto de trabalho árduo, da persistência, da reflexão, da solidão. Os trabalhadores do pensamento pertencem a múltiplas minorias. Eles não se sentem marginalizados, porque têm consciência do seu fazer, da sua atitude perante o mundo e a vida. Emite-os. Sinta-se solidário com a vida, como eles, e será feliz (António Pinela, Reflexões, Agosto de 2002).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados