A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

A exoneração da vida

 

Vivemos, nos últimos anos do século XX e início deste, num mundo nebuloso, cheio de escolhos, que se reflecte nos rostos das pessoas. Estas, mesmo que procurem exteriorizar alguma alegria, observa-se, a todo o momento, a inexorável sombra da dúvida.

 

Na grande maioria dos casos, o principal motivo para tal abatimento é a marca da incerteza, devido à insegurança económica que paira sobre aqueles que trabalham, sobretudo, por contra de outrem. É raro encontrar alguém que não tenha um parente ou amigo desempregado. Quase todos conhecemos alguém que está sem trabalho, sendo novo para se reformar, e velho para concorrer no cego mercado do mesmo. Que vale a experiência adquirida no decurso de vinte, trinta anos de actividade? Para a maioria dos empresários, muito pouco. Nada mesmo.

 

Emergem, então, os desencantos de muitos anos de actividade, que agora nada valem; e a frustração espreita perante a incapacidade de alterar a situação; a angústia instala-se por temor à indigência; o desespero faz o seu caminho, conduzindo a actos impensados e a situações-limite. Instala-se a desestruturação psicológica do indivíduo.

 

Para a maioria dos seres humanos, a importância que o trabalho exerce na vida é primordial. Aliás, o trabalho é o motor central da realização humana.

 

Mas, que pensar do futuro, conhecendo as condições em que vivem hoje a maioria dos trabalhadores? É irrealista dizer que nas actuais condições em que o mundo se encontra, a desigualdade entre os homens tende a aumentar cada vez mais? Onde estão os incentivos para que os trabalhadores não se sintam marginalizados da produtividade criada? Onde está a chamada classe média que, segundo a tradição, costumava ser o esteio dos países desenvolvidos? Tudo isto é o resultado da globalização, dizem por aí alguns fazedores de opinião. Mas será?

 

É verdade que os pretensos donos da globalização – as grandes multinacionais e os donos do capital sem rosto – vêm impingindo um modo de vida globalizada, isto é, consumista e superficial, procurando encher os nossos olhos pela propaganda veiculada pela televisão, rádio, jornais, revistas e outros meios de comunicação. Quase toda a propaganda diviniza os valores dos bens materiais, dos carros, já não tanto do tabaco, da bebida, das férias além-mar, do falso ter. Consequência de tudo isto? As pessoas hoje passam a ser avaliadas pelo que parecem e não pelo que são, o que traz o sofrimento e inflama a dor.

 

Tudo isto convém aos poderosos. Aqueles que nos criam o hábito das necessidades. As necessidades dos carros (que temos de mudar de 4 em 4 anos, senão ficamos fora de moda!), dos telemóveis (se possível de última geração, e os mais caros!), dos computadores (que temos de mudar de 6 em 6 meses, senão ficamos desactualizados, porque os programas já não correm!), das viagens (porque, quem não vai ao Brasil ou à Ilha de F. Castro é pessoa de pouca cultura!). Conclusão, com tudo isto, o homem de hoje perde a sua liberdade, o seu poder de decisão, é alienado, torna-se coisificado. Desespera-se.

           

O homem deixou-se arrebatar pelos encantos das novas tecnologias, pelas drogas, pela corrupção, pela vida fácil… Deixou de pensar. O pensamento e a reflexão são luxos do passado? Mas, o que é que é preciso que aconteça para que o homem volte a pensar? Os problemas da vida deste tempo não são suficientes para fazer uso do pensamento? Que urge fazer? Desenvolver a educação e a cultura de todos nós. Coisa que os pretensos donos do mundo não querem!

 

Para fazer o homem voltar a pensar, é preciso espicaçar as mentes adormecidas, como fazia Sócrates pelas ruas de Atenas, na Grécia Antiga. É primordial desenvolver permanentemente a educação e consciencialização de alguns princípios filosóficos básicos, como: O homem é um ser que se esquece excessivamente, e o que é mais grave, que neste mundo do esplendor das grandes superfícies comerciais, do luxo e da usura, em que vivemos, ele esquece-se do mais importante da sua missão, enquanto ser a caminho, esquece-se de ser. Urge que o homem valorize o ser, não as aparências.

 

Ora, quando o homem filosofa ele vive verdadeiramente, porque reflecte sobre tudo o que o envolve e toma decisões conscientes. É mais humano. Na medida em que deixa a Filosofia de lado, desumaniza-se. Torna-se insensível. Esquece-se de si e dos outros. E sem os Outros nada somos. (António Pinela, Reflexões, Abril de 2007).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados