A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

O Homem e as Suas Atitudes

 

Vivemos num tempo em que o tempo parece ter menos duração: “os séculos parecem já não ter cem anos”, dizia alguém. Tudo flúi em velocidade quase imperceptível. O que tínhamos ontem por certo, já se nos afigura hoje como duvidoso; o que afirmamos e fazemos no presente será posto em dúvida no futuro; de tal sorte assim é, que, amiúde, tomamos o que não é pelo que é, o falso convencimento pela consciência, o não-saber pelo saber... Ou seja, deixamo-nos conduzir pela “lei do menor esforço”, a “informação” que desinforma, a decisão imatura, a prática irreflectida; isto é, não raro, aderimos até mesmo ao que não queremos.

E se é assim, urge mudar o rumo da nossa atitude perante a vida, o conhecimento, os valores, para uma atitude de pensamento, de meditação, de interrogação, com vista à apreensão “clara e distinta” dos seres, valores e conhecimento, sobre que incide a nossa atenção. Se esta é a atitude mais consentânea com a praxis humana, que valor poderá ter aquela velha pergunta céptica que diz: “para que vale esse esforço intelectual, se tudo é mais fácil e tranquilo, quando não interrogamos o que não sabemos”, ou julgamos não saber, ou não queremos saber?

Esta é a prática que observamos por aí: Não questionar nada nem ninguém, não vá a inquirição ofender, nos seus pergaminhos, a quem se dirige; é a atitude mais cómoda deixar tudo na mesma, desde que esta circunstância sirva a quem deveria questionar; é uma atitude cómoda, oportunista, mas cobarde. Cómoda, porque desta forma o indivíduo que deveria colocar questões não se submete à ira do chefe, que tem sempre a última palavra. Oportunista, porque assim não põe em risco o seu status quo. Cobarde, porque gostaria de ser capaz de enfrentar os outros que ditam as regras, mas lhe falta a coragem, ou, ou a independência intelectual, ou a capacidade de afirmação, ou, simplesmente, porque é mais fácil seguir um guia, mesmo que a contra-gosto, ou por sobrevivência!

Esta é a atitude que queremos ver banida das consciências activas, a atitude de menoridade. O Homem consciente da sua atitude, respeitador de si próprio e dos outros, deve olhar horizontalmente e não de modo oblíquo.

A atitude aqui exposta é uma atitude crítica e reflexiva sobre todos os fenómenos que ocorrem, e contrapõe-se àquela atitude habitual que é característica de muitos, que aceitam quase tudo passiva e obedientemente.

A par desta obediência cega, seguidista e desconfortável, na vida do quotidiano raramente se cuida de saber se o que vemos e ouvimos é, objectivamente, o que vemos e ouvimos: “ouvi dizer que...”, “disseram-me que...”, “se ele disse...”!, é frequentemente a única fonte de informação de que alguns dispõem. Quantos “conhecimentos” errados não foram (e são) transmitidos, por esta via, de geração em geração, sem a certificação científica, mas que por força do hábito se tornaram “verdades” indiscutíveis»?

Bertrand Russell aconselha que sejamos mais interrogativos; enquanto que, dirá Descartes, perante os acontecimentos do mundo e da vida, é preciso aprender a distinguir o verdadeiro do falso, pela análise e reflexão investigativa, própria da atitude do homem consciente.

Se retomo esta reflexão é porque, efectivamente, é público e notório o estado de não pensamento que se vive no nosso tempo. Hoje vive-se para o olhar, mas não para o ver. Ver exige mais de nós. Exige que se veja para além do olhar superficial “telenovelesco”. Ver é uma olhar penetrante, é um olhar dentro de..., é ver o que está para além das aparências, das facilidades e falsidades, das arrogâncias e vaidades, e do que escondem as incompetências. (António Pinela, Reflexões, Fevereiro de 2002).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados