A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

O lugar da Política no Tempo Hodierno 1

 

Aparentemente, a política parece estar em situação problemática. Periodicamente, aparecem umas sumidades a relacioná-la com o registo da crise. Para a descredibilizar, tais personalidades associam-na ao colapso das forças utópicas, com isso negando a força da utopia; à queda das grandes narrativas criadas por comentadores ou politólogos; à depressão dos políticos; à insatisfação com as práticas de representação política; às repetidas denúncias de corrupção; ao desencanto com os políticos profissionais. Estes são alguns dos itens que emergem como interpelações dirigidas à política hodierna.

Algum "pensamento" actual apresenta visível contraste entre a Política, como arte de bem governar a Res Publica, e a exaltação da política neo-moderna, a política que alimenta alguma Comunicação Social, como a política espectáculo: a política neo... que está em moda, como a politica sem princípios nem valores, a política negacionista, retrógada e oportunista, que denominarei de política demagógica, perigosa e sem pensamento.

O contraponto entre o valor da Política e a política espectáculo indica, mais uma vez, o estatuto problemático da política hoje e, em consequência, coloca em cena uma das questões mais urgentes a ser trabalhada: a crise Política instalada emerge da prática da política neo-moderna ou como uma incapacidade política "tout court"?

A posição assumida, nesta reflexão, opta pela primeira alternativa, pois propõe que o registo da crise indica inabilidade na actividade política, que marca hoje a política em moda. Não é a Política, em si, que está em crise. A Política, em si mesma, não é nem má nem boa. Apenas é uma ciência humana. Os actores que põem em prática a política, a sua política, é que podem não ser genuínos e daí o fracasso das políticas que pretendem implementar.

Neste contexto, a questão do lugar da política surge como essencial no novo mundo. Em rigor, um dos dilemas do mundo contemporâneo consiste em responder correctamente à pergunta: qual o lugar da política? Já todos sabemos que já não é mais suficiente confiná-la no contorno do Estado-Nação. A globalização coloca pois um desafio: imaginar a política dentro de parâmetros universais e mundializados. Com efeito, diferentemente da economia e da técnica e, mesmo da cultura, que aparecem mais rapidamente globalizáveis, a política tende a associar o global e o local com o nacional, em decorrência da amplitude que vem adquirindo a partir dos anos oitenta, do século passado: tudo está politizado.

A constatação da decadência da política e a insistente reivindicação da necessidade de uma nova política, parece ganhar plenamente sentido. Assim, parece-nos desejável saber quem é quem e o quê. Dito de outra forma, é fundamental que o eleitorado conheça, sem ambiguidades, o pensamento (quando existe!) de quem se propõe governar, seja a nível nacional seja a nível local.

 

Tal clarificação cria a possibilidade da actualização da política e de, por esta via, encontrar um lugar mais consentâneo com esta ciência da governação, que é a Política

 

Se não se alimentar a Política com o timbre da verdade, acentuando bem o pensamento que dá forma a cada proposta, isto é: as ideologias, a democracia, na actualidade, corre sérios riscos. Com efeito, no mesmo momento em que o valor da democracia parece universalizar-se, surge o esvaziamento desta por força do igualitarismo político. Isto é, surgem os pensamentos globalizantes, que nada definem nem esclarecem, parecendo que o que um diz, o outro diz igual, ficando-se sem se saber qual o sentido das propostas que os diversos actores políticos apresentam, pois o que importa não é esclarecer, mas confundir. O importante, para vencer, não é delimitar e identificar, com princípios e valores, mas sim ampliar e amalgamar para não se perceber os sentidos últimos das intenções. Escolher a indiferença, ou talvez, a simpatia, o politicamente correcto ou a retórica é o que alguns neo-políticos propõem, hoje, como "ideias"! (António Pinela, Reflexões, Maio de 2004).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados