A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

O lugar da política no tempo hodierno 2

 

A dimensão da prática política parece situar-se no lugar mais recôndito da problemática da sociedade contemporânea. Demagogos e oportunistas colocam-na, insistentemente, no registo de todas as crises emergentes, quase a considerando um mal que é preciso banir da praxis humana.

O colapso do pensamento utópico, o desmoronamento das grandes narrativas, o enfraquecimento dos actores políticos, o descontentamento dos cidadãos com os resultados das políticas, as repetidas denúncias de corrupção, o desencantamento com os políticos profissionais que, quando lhes é favorável, criticam aqueles, dizendo-se amadores, surge como algumas das variadíssimas interpelações dirigidas à política hodierna.

A circunstância actual, de um mundo em turbilhão, propícia ao investimento em políticas niilistas, apanágio de uma certa direita revanchista, sedenta de poder, e de uma certa esquerda passadista, que não logra o poder, convoca todo o pensamento do progresso, das reformas sustentadas, da compreensão dos sinais da modernidade, da inevitabilidade da sociedade da informação, da economia e do conhecimento global, para a emergência e mesmo a exaltação da política de um tempo, que é o nosso, tempo da modernidade, tempo da Aldeia Global, do conhecimento, da comunicação em tempo real.

A prática entre políticas positivas, como uma política de valores, de ideais, da utopia, própria de um Estado Social; e as políticas niilistas, dos desvalores, sem ideais nem ideologias, que privilegiam o economicismo, indicam, sem sombra de dúvida, o estatuto problemático da política de hoje e, por via disso, coloca em cena uma das questões mais pertinentes, do nosso tempo, a ser reflectida: a crise da política emerge como um problema da própria política ou como uma dificuldade da afirmação dos novos políticos incaracterísticos?

A hipótese que propomos assume que o registo da crise indica incapacidade dos nossos políticos frente ao poder económico, cada vez mais afastado da realidade humana, cada vez mais sedento de controlar o poder político, com o qual não se harmoniza.

Em situações de crise económica, surgem propostas milagrosas para as neutralizar, oriundas dos grandes grupos económicos, cuja receita já é sobejamente conhecida: facilidades nos despedimentos, não aumento dos salários, aumento dos bens de consumo, congelamento das pensões de reforma… E a descrença na política acentua-se cada vez mais, como todos sabemos. Conformamo-nos, mas sempre se grita: «São sempre os mesmo a pagar a crise».

Quem trabalha por conta de outrem, passa a não ser senhor do seu próprio destino, não tem o direito de fazer projectos, não tem vida própria. Passa a ser considerado uma coisa, um objecto que, logo que deixe de servir, é colocado no armazém das velharias. É este o pensamento de certos empresários que por aí temos.

Ora, para contrariar esta situação, os políticos emergentes deveriam investir nos ideais sociais, revitalizar a utopia, apetrechar-se de humanidades. Os políticos deveriam demonstrar e mostrar à sociedade do tempo vivo e, em particular, aos investidores económicos, que o capital mais precioso, sem o qual nada mais haverá, é a pessoa humana. O primeiro investimento deverá ser aplicado nas pessoas. Com efeito, sem elas não haverá riqueza, não haverá capital. E sozinho, sem o esforço de outros, ninguém capitaliza. São a inteligência e a força humanas que fazem avançar o mundo. (António Pinela, Reflexões, Janeiro de 2006).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados