A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Edição online

Página inicial  |  Filosofia  |  Filósofos  |  Glossário  |  Perfil do autor    

 

Princípios e os Ideais Políticos

 

Hoje em dia é de bom-tom dizer-se que a ideologia está em desuso. E defender esta transformou-se numa heresia, numa irracionalidade, porque defender a ideologia significa a não abertura à sociedade civil. Aliás, fala-se muito, neste tempo, em «Sociedade Civil»! Que quer isto dizer? Qual é a sociedade que não é civil, uma vez que há outra que o é?

 

Então, um Partido político não se constitui a partir de princípios ideológicos? Um Partido político não emerge na sociedade, porque há ainda um espaço para ele, e porque o novo Partido faz a diferença com as novas propostas?

 

O que se espera de um Partido é que tenha ideias, defenda princípios claros e distintos, proponha soluções para resolver os problemas existentes. Com efeito, um Partido sem princípios nem ideais banha-se num caldo morno, nem frio nem quente, e torna-se enjoativo.

 

Assim, diremos, porque é essa a nossa convicção, que um Partido que não marca a diferença é um Partido oportunista, não tem nada para oferecer, perde credibilidade, é uma coisa quase morta, estrebucha...

 

Os princípios ideológicos constituem uma espécie de marca registada, são o modo como o Partido se posiciona e vê o mundo, a sociedade e as pessoas. Ora, isto não é de somenos importância, porque é para as pessoas e não para inertes que os Partidos se constituem.

 

A mundividência ideológica marca a diferença e a diferença, por si, já marca os contornos da oferta política, porque mostra quais são os objectivos a alcançar, quais os meios a empregar.

 

Em política não basta ser inteligente, hábil, malabarista e dominar três ou quatro lugares comuns. É preciso mais, é preciso ser capaz de fazer mover o sonho que alimenta a esperança. Se o Partido não é capaz de fazer sonhar, que tem para oferecer? A intriga e um pouco de nada...

 

A que conduz a falta de sonho? Ao desânimo e à desesperança. É o que está a acontecer há algum tempo a esta parte, a não crença nas políticas propostas e o descrédito nos políticos.

 

E porquê? Porque há uma casta de pseudo-políticos que em vez de explicarem quais as ideias que defendem, quais as suas propostas para melhorar o que está mal, não o fazem e preferem confundir os menos avisados, porque é nesta faixas que eles julgam que se vão safar!

 

É aqui que começa o desinteresse pela política. As pessoas já estão fartas de ouvir tanta maledicência e, como tal, desmobilizam-se, afastam-se, não participando na vida cívica, porque, dizem, é tudo da mesma laia, pois nada resolvem. E instala-se a crise de confiança nos políticos e nas instituições que servem ou deveriam servir as populações.

 

O descrédito e a descrença começam logo em momentos eleitorais (Nacionais/Locais). Vale tudo. Ataques pessoais, ofensas, coscuvilhice, mentiras, deturpações da realidade. E os eleitores ficam sem conhecer que ideias ou soluções propõem tais pregoeiros, que dizem descaradamente falar em nome do povo, tentando enganar os incautos e as pessoas de boa fé.

 

Em democracia é legítima a discordância de prática política, e é desta forma que as coisas avançam, o que não é legítimo é à luz da democracia, que dizem defender, exibir uma prática não democrática, tentando confundir tudo. Há por ai, de facto, alguns desempregados que tudo fazem para voltar a ter emprego, e então esgatanham-se, utilizando as armas mais torpes para fazer passar as suas tristes mensagens. A esses, eu aconselharia, para que obtenham sucesso, o seguinte: a) Proponham políticas claras, sem ambiguidades, com objectivos e metas definidas; b) Digam como alcançar as suas propostas; c) Expliquem claramente o que os move, se o serviço público ou se o benefício próprio; d) Convençam-nos de que os homens e as mulheres que indicam para aplicar tais políticas são, de facto, os mais capazes, e digam porquê. Bastam estes quatro enunciados para que os Partidos ganhem credibilidade. Não tenham dúvidas.

 

Ora, quando não se definem princípios e metas, quando não se delimitam fronteiras cai-se no facilitismo, pretende-se agradar a todos, ao mesmo tempo, como se isso fosse possível, e embarca-se no oportunismo demagógico que tende a sacrificar os princípios programáticos dos Partidos. E a credibilidade desaparece.

 

Com efeito, o que se observa hoje, a todos os níveis da administração, é a tentação para agradar a todos os grupos de interesse. Promete-se tudo a todos! É maravilhoso! (António Pinela, Reflexões, Janeiro de 2005).

 

 

LIVROS/EBOOKS

 

De

 

António A. B. Pinela

 

 

Horizontes da Filosofia

Ver informação

 

 

 

Para que serve a filosofia

Ver informação

 

 

 

Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Ver informação

 

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

Ver informação

 

 

 

A Razão universal em Álvaro Ribeiro

Ver informação

 

 

 

A felicidade segundo santo Agostinho

Mais informação

 

 

 

A desigualdade entre os homens segundo Rousseau

Ver informação

 

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

Ver informação

 

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Ver informação

 

 

 

Como organizar um trabalho escolar

Ver informação

 

 

 

Ciências da Educação - Glossário

Ver informação

 

 

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

 

Programas de Filosofia

(Ens. Secundário)

 

Filosofia (Discip. ens. superior)

 

Provérbios

 

Sabia que...

 

Sete Sábios da Grécia

 

 

 

ORGANIZAÇÕES

 

Amnistia Internacional

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Diário da República Electrónico

 

Disputatio International Journal of Philosophy

 

Encyclopédie de la philosophie

 

Eurydice

 

European Schoolnet

 

European Universities Association

 

Lusofonia (CPLP)

 

Philosophie & religion

 

Portal europeu sobre oportunidades de educação e formação

 

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

The Paideia Archive

 

ONU

 

UNESCO

 

União Europeia

 

 

Sobre EuroSophia  | Condições de utilização de textos e imagens | |   Contactos

 

© 2003-2021 www.eurosophia.com  Todos os direitos reservados