Philos + Sophia = Philosophia
 
 

Espaço de reflexão e de edição de textos de filosofia

 
 

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

 

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto Utilização de textos
 

Que é a filosofia?A filosofia e os filósofos, O ensino da filosofiaO estudo da filosofiaPara que serve a filosofia. Mais

 
   

D

 

Dado

Diz-se que algo é dado quando se encontra imediatamente presente a um sujeito que conhece. O dado é considerado como um ponto de partida para o conhecimento, mas não é, ainda, conhecimento. O dado é um "material" que não está organizado, isto é, categorizado ou conceptualizado. Os dados designam, também, os elementos de base de um problema ou de uma discussão. Em particular, designam-se dados de uma ciência ou de uma investigação experimental os factos e os princípios indiscutíveis que lhes servem de ponto de partida.

 

Dedução

Raciocínio rigoroso que consiste em inferir um caso particular de um princípio geral. Ou seja, é um raciocínio que vai do geral para o particular, do todo para a parte, da lei para o facto, do abstracto para o concreto e do antecedente para o consequente. Com efeito, a partir de uma ou mais proposições conhecidas (antecedente) conclui-se necessariamente uma proposição desconhecida (consequente), naquelas de algum modo incluídas e implicada. O silogismo constitui a expressão mais perfeita da dedução: «Todos os homens são mortais, Sócrates é homem, logo Sócrates é mortal». É, portanto, o procedimento do pensamento ou do raciocínio que, em virtude de certas regras lógicas, tira de proposições principais, evidentes, as proposições ou as consequências necessárias que daí decorrem.  O método dedutivo é utilizado nas ciências, em particular nas ciências mais formais como a lógica e a matemática, que exigem o rigor, a precisão, a exactidão do pensamento discursivo. A dedução contrapõe-se à indução, que do dado particular parte para o geral.

 

Definição

Enunciado das qualidades essenciais de um objecto. Em Lógica, operação que consiste em determinar os limites da extensão de um conceito, o que é feito por meio da análise da compreensão desse conceito. Assim, definir, por exemplo, um triângulo como um polígono é uma definição incorrecta, porque um pentágono e um hexágono também são polígonos. É necessário acrescentar algo mais ao objecto definido. O modelo da definição comporta o género próximo e a diferença específica: O triângulo é um polígono (género a que pertence o triângulo) de três lados (que define a diferença específica). A definição deve ser breve e clara.

 

Demonstração

A demonstração é a operação pela qual uma proposição se torna evidente por meio de outra, evidente por si mesma ou já demonstrada. (a demonstração é correcta quando as proposições se encadeiam umas nas outras). De um modo geral, o recurso à demonstração é um processo discursivo, isto é, que supõe fases sucessivas; opõe-se à intuição, conhecimento imediato de uma coisa. A demonstração constitui a base do conhecimento científico.

 

Deontologia

Ciência que ensina a conhecer os deveres. Este termo não se aplica à ciência do dever em geral; ela transporta consigo, pelo contrário, a ideia de um estudo empírico dos diferentes deveres relativos a tal ou tal situação social. É particularmente utilizada na expressão "deontologia profissional" aplicada à função médica, jurídica, jornalística, docente, de entre outras.

 

Desempenho

Refere-se ao nível e à determinação do grau de envolvimento e de empenhamento dos alunos para atingirem os objectivos das actividades propostas.

 

Despistagem

Levantamento de traços indicativos de problemas ou de deficiências da criança, do jovem ou do adulto.

 

Diagnóstico

O diagnóstico consiste na análise dos elementos que compõem a situação de aprendizagem.

 

Dialéctica

Argumentação, raciocínio, discussão, marcha do pensamento cujos termos são logicamente organizados, postos em acção, a fim de demonstrar uma verdade, de apoiar uma convicção, de refutar uma proposição ou uma posição, de resolver uma contradição. O método dialéctico de ensino privilegia o raciocínio, a demonstração, a discussão, o diálogo nas relações entre professor e aluno.

 

Diálogo

Diálogo significa troca de informações, comunicação bilateral. Dialogar é admitir que os dois interlocutores podem aprender alguma coisa um com o outro. Com efeito, a sala de aula (ou outro sítio) é o local de um encontro humano, de uma interacção pessoal pela qual as personalidades agem umas sobre as outras e se estimulam mutuamente. A ideia de diálogo pode, assim, ser considerada uma dialéctica pedagógica que engloba, não apenas as trocas de ensino-aprendizagem, mas também as relações sócio-afectivas com as suas tensões emocionais. Um diálogo é autêntico se cada personalidade implicar-se nele inteiramente, nele se empenhar exprimindo-se com sinceridade e se sentir aceite, com as sua emoções, as suas ideias, as suas experiências, ao mesmo tempo que aceita inteiramente os sentimentos, as ideias e as experiências dos outros, modificando, se for caso disso, as suas atitudes, para cooperar com os outros, numa pesquisa comum.

 

Didáctica

Ciência e arte de ensinar. É o ramo da pedagogia que trata dos programas, objectivos, conteúdos, métodos e técnicas de ensino. Qualifica a acção ou o procedimento da prática lectiva, cujo objectivo é instruir pelo ensino. Há a didáctica geral, que apresenta os processos gerais de transmissão do saber, e a didáctica especial, que se ocupa dos métodos e técnicas específicas de determinada disciplina.

 

Dilema

Raciocínio que consiste em apresentar duas proposições tais que se uma delas é falsa a outra é necessariamente verdadeira. Por extensão, obrigação de escolher entre duas partes possíveis (ser colocado perante de um dilema). O pai da lógica, Aristóteles, apresenta uma construção mental, que a ciência lógica designa de dilema, acerca da Filosofia: 1. Ou a Filosofia vale ou não vale a pena. 2. Se vale, devereis filosofar; 3. Se não vale, é necessário mostrar que não, e tereis que filosofar. 4. Num ou noutro caso é indispensável filosofar.

 

Direito

De uma maneira geral, o direito opõe-se à força, à violência. Direito subjectivo: Os direitos de um indivíduo tomam muitas vezes o nome de «direitos subjectivos». Direito objectivo: O direito enquadrado pela lei da sociedade toma o nome de «direito objectivo». Em moral, o direito é o que alguém pode exigir de outro, opõe-se ao dever, que designa o que outro pode exigir de nós. Direito natural: Distingue-se o direito natural, de que se reclama toda a teoria das relações humanas fundada sobre a natureza do homem, sem tendências e aspirações do coração (Rousseau, Fichte), do Direito positivo: que resulta dos costumes tradicionais ou das leis escritas (Código Civil).

 

Disciplina

Instrução, educação. Conjunto específico de conhecimentos que se professam em cada uma das cadeiras ou matérias nos estabelecimentos de ensino, e tem as suas características próprias nos planos da formação, dos métodos e das matérias. Relativamente ao indivíduo, a disciplina é uma regra de conduta que pode ser-lhe imposta do exterior ou que ele se impõe a si mesmo, regulando livremente o seu comportamento.

 

Discípulo

Aquele que recebe ensino de alguém, o aluno. O que segue as ideias ou doutrinas de outrem. Assim, este termo designa um aluno relacionado com o seu professor, mas também um estudante que recebe o ensino de um professor ou de uma pessoa de quem partilha as concepções, a doutrina, as crenças, as ideias filosóficas, sociais ou religiosas.

 

Discursivo

O pensamento ou conhecimento diz-se discursivo quando procede por etapas, quando se constrói através de um raciocínio. O conhecimento discursivo opõe-se ao conhecimento intuitivo que apreende directamente o seu objecto.

 

Discurso

Exposição de ideias proferidas em público ou escritas como se tivessem de ser ditas em público. Operação intelectual que é expressão e desenvolvimento do pensamento através de uma sucessão de palavras ou de proposições que se encadeiam.

 

Discussão

Exame de uma questão ou de um problema, quer por uma só pessoa [o professor ou o aluno], quer por várias. É, portanto, a troca de argumentos, debate, controvérsia, explicação. O exame da questão e o consequente debate – actividades intelectuais a que os alunos deverão ser chamados – apelam para o espírito crítico, logo para a análise, para a razão, para a reflexão, para a síntese e inscreve-se nos processos de uma pedagogia do interesse.

 

Dissertação

Exposição escrita ou oral sobre um tema. Exercício escrito efectuado por alunos do ensino secundário, do ensino superior, ou por pós-graduados, que consiste em prever, planificar, organizar e desenvolver o pensamento, a reflexão, sobre um assunto (delimitado) literário, histórico, filosófico, científico, etc., e apresentá-lo e defendê-lo perante um professor ou um júri (constituído por especialistas na matéria).

 

Dogma

Ponto fundamental e indiscutível. Princípio aceite como verdadeiro ou justo sem discussão ou exame crítico. Proposição que a Igreja Católica considera verdade revelada por Deus, e como tal a proclama.

 

Dogmático

Relativo ao dogma. Aquele que afirma de modo decisivo e sem provas; autoritário; categórico; sentencioso.

 

Dogmatizar

Estabelecer dogmas. Ensinar autoritariamente; recusar a discussão do que se afirma ou ensina.

 

Duração 

É oportuno reflectir um pouco sobre a noção de duração. Noção que se opõe tradicionalmente, depois de Bergson, à noção de «tempo». A duração vivida é experiência viva do tempo, enquanto o tempo medido, ou tempo matemático, é abstracto. A duração é uma realidade psicológica e subjectiva: é o tempo de espera e de impaciência, onde uma hora pode ser longa ou curta, segundo os indivíduos; enquanto do ponto de vista do tempo objectivo, uma hora dura sempre uma hora, quer se trate de uma hora de contrariedade ou de divertimento. Bergson desenvolve os temas de duração e tempo em L’Evolution Créatrice, Paris, PUF, 1966).

 

 

LIVROS / EBOOKS

 

FILOSOFIA

 

Para que serve a filosofia

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

A Felicidade Segundo Santo Agostinho

A desigualdades entre os homens segundo Rousseau

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Como Organizar Um Trabalho Escolar

Ciências da Educação: Glossário

 

ARQUIVO

 

O pensamento mítico

Pensamentos

Programas de Filosofia (10.º, 11.º e 12.º anos) V

Provérbios

Sabia que...

Os Sete sábios da Grécia

 
© 2003-2016 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos
EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos Última actualização: 01/01/16

Contacto