Philos + Sophia = Philosophia
 
 

Espaço de reflexão e de edição de textos de filosofia

 
 

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

 

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto Utilização de textos
 

Que é a filosofia?A filosofia e os filósofos, O ensino da filosofiaO estudo da filosofiaPara que serve a filosofia. Mais

 
   

O

 

Objectivação

Ao nível psicológico: processo pelo qual uma sensação, admitida, de início, como puramente subjectiva, se projecta para fora e se exterioriza no objecto. A nível epistemológico: processo pelo qual o conhecimento se aproxima incessantemente da objectividade.

 

Objectividade

Qualidade ou carácter do que é objectivo. Sentido corrente: imparcialidade, sem atitude preconcebida, tratando de um assunto sem lhe misturar as ideias e formas de ver pessoais (dar prova de objectividade nos seus juízos). Nas ciências: procura de racionalização da experiência por meio de processos – como a medida e a matematização – que excluem a intervenção individual. «A objectividade científica só é possível se detivermos e contradissermos os pensamentos que nascem da primeira observação» (G. Bachelard).

 

Objecto

(Do Lat. Ob-jectum, que está colocado diante de). Toda a coisa que se oferece à vista. Corpo material dado pela percepção (a sala estava cheia de objectos). De uma maneira mais precisa, o objecto é o conteúdo do nosso pensamento. Tudo o que é pensado por um sujeito, seja uma ideia, uma imagem, uma realidade material ou uma pessoa (o objecto do meu trabalho...) e opõe-se ao sujeito pensante. 

 

Observação

Percepção atenta. Processo que consiste em ver, em vez do simples olhar; em descrever o real, em proceder a uma investigação dos caracteres distintivos das coisas, dos fenómenos, tais como eles se oferecem aos nossos sentidos ou tais como se produzem objectivamente, sem recurso à experiência. A este título, a observação é o primeiro momento de todo o conhecimento científico. Distingue-se a observação natural, que consiste simplesmente em perceber as coisas, da observação cientifica, que consiste em ler instrumentos de medida (termómetro, barómetro, etc.) e que implica uma certa experimentação. De uma maneira geral, toda a observação implica um certo interesse e certos conhecimentos: a observação não é passiva, e somente notamos as coisas ou os seus caracteres em função das nossas disposições mentais e dos nossos conhecimentos e interesses. A observação pode ser directa ou indirecta. A observação directa requer o uso dos sentidos, visão, audição, tacto, gosto e olfacto, para a recolha de dados em primeira mão, a partir de uma experiência imediata. A observação indirecta requer leituras, audições, exames de diversos documentos para recolha de dados em segunda mão, a partir de meios auxiliares. A observação dá lugar a actividades essenciais em todos os níveis de ensino, principalmente nas actividades de despertar para a investigação nos ensinos básico e secundário e nas ciências da natureza aos níveis superiores. A forma sob a qual o espírito apreende o real é, em primeiro lugar, uma percepção. Donde, as dificuldades de uma observação objectiva na criança cuja percepção é, em primeiro lugar, sincrética, global, egocêntrica, penetrada de animismo, de realismo, de artificialismo, de imaginação afectiva. Aliás, poder-se-á dizer que, em sentido lato, todas as aprendizagens se iniciam pela observação.

 

Originalidade

Que tem carácter próprio; que não foi copiado nem imitado. Diz-se também das Particularidade de um indivíduo, ou de uma obra. A originalidade distingue-se da fantasia, das bizarrias superficiais porque ela é ligação à criação de uma obra, da invenção de um procedimento: um professor original é aquele que descobre uma nova estratégia pedagógica, que inova e é criativo, não aquele que segue os exemplos, ainda que bem sucedidos, dos colegas ou que repete os manuais ou mesmo os novos livros.

 
 

LIVROS / EBOOKS

 

FILOSOFIA

 

Para que serve a filosofia

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

A Felicidade Segundo Santo Agostinho

A desigualdades entre os homens segundo Rousseau

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

Como Organizar Um Trabalho Escolar

Ciências da Educação: Glossário

 

ARQUIVO

 

O pensamento mítico

Pensamentos

Programas de Filosofia (10.º, 11.º e 12.º anos) V

Provérbios

Sabia que...

Os Sete sábios da Grécia

 
© 2003-2016 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos
EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos Última actualização: 01/01/16

Contacto