A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

 

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto
 

O amigo faz a diferença

 

O relacionamento humano não é fácil. É mesmo muito difícil. No entanto, a vida humana não poderia ser vivida, nem seria humana, sem nos relacionarmos uns com os outros.

Para que a nossa vida tenha sentido, as vivências relacionais são múltiplas: relações familiares, de vizinhança, de trabalho, sociais, de amizade, amorosas, ocasionais… Que relação privilegiar? Todas elas contribuem para o equilíbrio racional e emocional do indivíduo.

Contudo, neste jogo relacional ocorrem múltiplos conflitos. Aliás, o conflito é parte integrante do nosso crescimento intelectual e psicológico. O conflito ocorre em qualquer dos tipos de relação: na família, na vizinhança, no trabalho, socialmente, na amizade, no amor, connosco próprio.

Não é de espantar que surja o conflito. Ele é inevitável, desejável e até saudável. Se não há conflito, não há diferença, há monotonia. Se não há conflito, não há afirmação, há mimetismo. Se não há conflito, não há liberdade, há obediência…

Todavia, após o conflito, passamos por momentos dolorosos, por vezes muito dolorosos. Estes momentos criam-nos dissabores, ódios, rancores, angústias, desamores. Estados de alma incontornáveis. Então, o conflito cria-nos dor.

Há então que exorcizar o conflito, o que nem sempre é fácil. Como fazê-lo? Procurando um clínico, um parente ou um amigo, que nos possa ouvir. Geralmente procura-se um amigo. Não queremos incomodar um familiar, receando que ele não nos possa compreender, dada a nossa proximidade. Recorrer a um médico? Vai-nos entulhar com anti-depressivos, pensamos. O amigo é quase sempre a opção. No entanto, dizia a minha avó para uma das suas netas: «Filha tu nunca contes// o teu segredo a ninguém// porque uma amiga tem amigas// outra amigas, amigas tem», e lá se vai o segredo.

Mas confiamos no nosso amigo. Nós sabemos quem é o nosso amigo, porque o amigo faz a diferença. Reflectindo sobre a amizade, diremos que os amigos são de vários tipos: há «os amigos da onça», o oportunista – há por aí tantos! O amigo interesseiro, o amigo que se serve da nossa amizade para alcançar algum objectivo, o dito amigo ocasional: «apresento-te um amigo que conheci ontem». Espantoso! Mas o amigo existe, sim.

Quem são os nossos amigos? Os meus leitores que me desculpem a franqueza, mas cada um de nós, seres concretos, não temos muitos amigos. Uma dezena, cinco, três, dois…

O amigo, como disse supra, faz a diferença, é leal e honesto connosco. É aquele que nos diz tudo: o que queremos ouvir e o que não queremos ouvir. Não nos engana. Quem nos engana é o falso amigo, o oportunista. Este, conhecendo a nossa psicologia, os nossos gostos ou desejos, elogia-nos, diz que somos o máximo, os melhores, diz que fomos injustiçados, quando sabe que, eventualmente, naquele caso não temos razão. E, convencidos da sua amizade, caímos na ratoeira.

Às vezes, não apreciamos muito a franqueza de um amigo. Até dizemos, para nós próprios, «e és tu meu amigo!» Mas depois, passado o momento do choque, reconhecemos, quase sempre, que ele foi sincero. Todavia, existem momentos em que a franqueza não é bem recebida. Ainda que atinadas, nem sempre estamos na disposição ou temos capacidade psicológica para apreender as suas palavras. Mas o amigo compreende isso, porque está disponível para a desconfiança, sem produzir comentário. Este é o nosso amigo.

Com efeito, os amigos desempenham um papel de grande importância na nossa vida, nas suas diversas dimensões, nomeadamente nas nossas crises, que são muitas.

Uma conversa franca com um amigo é uma forma de terapia relacional. Aliás, o amigo que funciona como terapeuta, figura rara, mas existe, é aquele a quem confiamos as nossas amarguras, as angústias, os problemas que nos afectam. É aquele que está sempre disponível para nos ouvir; fala pouco, não dá conselhos, entende-nos. Ele não nos oferece a solução, mas inspiram-nos confiança e, mais do que isto, dá-nos o seu ombro para que nele possamos carpir as nossas mágoas, porque sabe ouvir. É muito importante saber ouvir o outro. Esta capacidade permite que sejamos capazes de nos colocar no lugar do outro. Não é difícil, basta que sejamos, de facto, amigos. É bom ter um amigo.

As palavras do amigo podem não resolver o nosso problema, mas são um lenitivo poderoso e organizador do pensamento de quem sofre, que está em turbilhão. De um amigo espera-se desprendimento, compreensão do sofrimento alheio, consideração e sensibilidade, e que saiba ouvir os lamentos sem censura ou recriminação. (António Pinela, Reflexões, Maio de 2005).

 
 

EBOOKS/FILOSOFIA

 

Horizontes da Filosofia

|

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

|

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EBOOKS/EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

|

Ciências da Educação: Glossário

 

APOIO ESCOLAR

 

Fale connosco

 

Ensino da filosofia

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário

 

Amnistia Internacional

Erasmus

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Educação

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

© 2003-2017 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados

Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 14/06/17