EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Os meus livros/eBooks

Contactos

 

Edmund Husserl

 

Filósofo alemão (1859-1938), nasceu em Prossnitz (Morávia), no seio de uma família judaica e  morreu em Friburgo. Na Universidade de Viena, estudou matemáticas e psicologia. Foi aluno de Franz Brentano de quem recebeu uma forte influência. Em 1883, defende a sua tese de doutoramento: Contribuição para a Teoria do Cálculo das Variações. Ensinou filosofia em Halle, Göttingen e Friburgo. Em 1916, é nomeado professor titular da Universidade de Friburgo. Aqui desenvolve a sua actividade até ser jubilado, em 1928.
Com a subida do nazismo ao poder, Husserl viu-se relegado e proibido. Em consequência, cerca de 40 mil fólios foram transferidos para a Universidade de Lovaina para maior segurança.
Matemático de formação, Husserl foi, em primeiro lugar, um lógico dedicado a «descrever» as operações do espírito, a esclarecer as «essências» que a inteligência percebe nas relações lógicas. Ele tornou-se, então, o teórico da «experiência vivida» subjacente a toda a operação mental.
A fenomenologia (de que foi fundador, e é concebida como investigação filosófica da vida da consciência transcendental)  foi, em primeiro lugar, uma lógica, depois desdobra-se numa filosofia do espírito e numa filosofia da vida. Exerceu uma profunda influência sobre Scheler, Heidegger, Sartre, Merleau-Ponty. Husserl suscitou, em toda a cultura filosófica, uma profunda corrente fenomenológica (Congresso internacional de Royamont, de Krefeld).
As suas principais obras são: Filosofia da Aritmética (1891), da qual se publica apenas a primeira parte. Husserl procura, nesta obra, preparar os fundamentos científicos sobre os quais assentariam as matemáticas e a filosofia; Investigações Lógicas (1900), que desenvolve a crítica ao empirismo e ao psicologismo que se apoiava naquele; Ideias para uma Fenomenologia Pura e uma Filosofia Fenomenológica (1913); Lógica Formal e Transcendental (1929). Esta obra articula todo o seu pensamento, concebe a lógica como uma teoria da ciência, procurando tornar claros a origem e significado dos conceitos lógicos; Meditações Cartesianas (1932), em que expõe a necessidade da elaboração de uma filosofia rigorosa. Não deixando, para tal, de empregar o mesmo ponto de partida que Descartes, o eu; Experiência e Juízo (1939); A Crise das Ciências Europeias e a Fenomenologia Transcendental (1954).

 
 

TEXTOS

Agostinho e o retiro de Cassicíaco

 
Felicidade e conduta humana
 
A exigência do rigor reflexivo
 
A natureza humana
 

EDUCAÇÃO/ENSINO

Disputatio International Journal of Philosophy

Encyclopédie de la philosophie

Educação

Ensino da filosofia

Erasmus

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário

Philosophie & religion

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

CONSULTA ÚTIL

Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

 
© 2003-2019 www.eurosophia.com - Todos os direitos reservados Webmaster: arb.pinela@sapo.pt
Sobre o autor dos textos Última actualização: 16/03/19
Utilização de texto

Contacto