A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Contacto Os meus livros/eBooks
 

Friedrich Nietzsche

 

Filósofo alemão (1844-1900), os seus avós e pai foram pastores protestantes, enquanto que ele é profundamente ateu. Mas recebe uma sólida formação humanista. Estudante em Bona e em Leipzig, Schopenhaer e Wagner foram seus guias espirituais; professor na universidade de Basileia (1869 a 1880), onde é nomeado catedrático com 24 anos. Renuncia à cátedra por motivos de saúde: com terríveis dores de cabeça. A partir de então viaja muito: Riva, Génova, Sicília, Rapallo, Sils-Maria, Turin, etc. A sua vida torna-se austera, encontrando-se em profunda solidão.
As dores tornaram-se cada vez mais frequentes e insuportáveis. E começa um período cheio de extravagâncias. A loucura está próxima. É então que um dos poucos amigos que lhe resta, senão o único, fá-lo internar numa clínica psiquiátrica de Basileia, em 1889. É-lhe diagnosticada uma lesão cerebral. Morreu louco, em 25 de Agosto de 1900.
Nietzsche recusou os valores culturais existentes, representados pelo cristianismo e os sistemas que preconizavam a igualdade entre os homens, arvorando o seu protótipo, o «super-homem», criador da essência e de vidas adequadas à sua estirpe ou classe.
A recusa da moral cristã, ou «moral dos escravos», bem como o seu entusiasmo pela vida foram princípios invariáveis da sua filosofia. A sua investigação, direccionada para uma síntese entre o mundo dionisíaco dos desejos e o mundo apolíneo da sabedoria, marca também o seu pensamento. O esforço da sua moral vai no sentido de sair do pessimismo mais profundo, mas reconhecendo todas as experiências negativas, as «desgraças» que a vida pode reservar ao homem: a sua máxima era «fazer com o desespero a mais profunda esperança, a mais invencível», graças a um heróico esforço da vontade e da imaginação.
Obras importantes: A Origem da Tragédia (1872), Considerações Intempestivas (1873-76), Humano, Demasiado Humano, (1878), A Gaia Ciência (1881), Assim Falava Zaratustra (1885), Para Além do Bem e do Mal (1886), A Genealogia da Moral (1887), Anticristo, Ecce Omo (1888), O Crepúsculo dos Ídolos (1889).

 
 

LIVROS/EBOOKS

 

Horizontes da Filosofia

 
Para que serve a Filosofia
|

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

 
Vergílio Ferreira e o Existencialismo
 

Ciências da Educação: Glossário

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO/ENSINO

 
Disputatio International Journal of Philosophy
Encyclopédie de la philosophie
Educação

Ensino da filosofia

Erasmus
Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário
Philosophie & religion
Stanford Encyclopedia of Philosophy
 

CONSULTA ÚTIL

 
Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 
© 2003-2018 eurosophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 06/03/18