A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Contacto Os meus livros/eBooks
 

Platão

 

De seu verdadeiro nome Aristócles – dizia-se que a palavra 'Platão' significa testa alta ou ombros largos – filósofo grego (Atenas 428-348/347 a. C.), ateniense, de origem aristocrática, filho de Aríston e de Perictione,  não se sabe muito sobre a sua educação, mas, segundo Aristóteles, familiarizou-se com Crátilo, e foi discípulo de Heraclito, conhecendo a doutrina heraclitiana, antes de ser marcado pela extraordinária figura de Sócrates.
Aos vinte anos conheceu Sócrates, de quem foi discípulo até ao ano da morte do Mestre, em 399. Data que marca uma viragem decisiva na sua vida. Do Mestre aprendeu o desprendimento, a forma de interrogar, a coragem de enfrentar as adversidades da vida, a luta contra a ambição desmedida, a exortação da virtude e da verdade. 
A condenação à morte de Sócrates (399) e a instabilidade política de Atenas, devido à guerra com Esparta, afastam-no da vida política ateniense e decide viajar durante aproximadamente dois anos, pelo Egipto, Mégara, Cirene, Sicília, etc., onde faz algumas experiências políticas infelizes. Sonhava instituir um governo de filósofos, mas as coisas não lhe foram favoráveis. Volta a Atenas e funda a Academia (387), onde, a partir de 368 a. C., teve como aluno Aristóteles.
A sua filosofia idealista, o seu sistema político baseado na ordem e na harmonia, o seu arreigado espiritualismo, a defesa intransigente da existência do bem supremo e o seu génio literário - é considerado o melhor prosador grego - fizeram dele génio da humanidade e figura cimeira do pensamento Ocidental.
A obra de Platão compõe-se de uma Apologia, 28 Diálogos, dos quais dois tem as dimensões de verdadeiros tratados (a República e as Leis), e 13 Cartas, em que a sétima e a oitava contam a aventura política de Platão na Sicília. Por falta de as poder datar exactamente, é comum classificar as suas obras em três ou quatro grupos, correspondendo às épocas do seu pensamento:
1.ª – Escritos da juventude ou socráticos: Apologia de Sócrates, Críton, Íon, Laches, Lísis, Cármides, Eutífron.
2.ª – Escritos de emancipação ou de transição: Eutidemo, Hípias Menor, Crátilo, Hípias Maior, Menexeno, Górgias, República I, Protágoras, Ménon.
3.ª – Escritos de afirmação ou de maturidade: Fédon, Banquete, República II-X, Fedro.
4.ª – Escritos da Velhice: Parménides, Teeteto, Sofista, Político, Filebo, Timeu, Crítias, Leis
.

 
 

LIVROS/EBOOKS

 

Horizontes da Filosofia

 
Para que serve a Filosofia
|

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

 
Vergílio Ferreira e o Existencialismo
 

Ciências da Educação: Glossário

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO/ENSINO

 
Disputatio International Journal of Philosophy
Encyclopédie de la philosophie
Educação

Ensino da filosofia

Erasmus
Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário
Philosophie & religion
Stanford Encyclopedia of Philosophy
 

CONSULTA ÚTIL

 
Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 
© 2003-2018 eurosophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 06/03/18