A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Contacto Os meus livros/eBooks
 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

© António A. B. Pinela (1992)

Edição: 2003

Editor: O autor

Formato: eBook

Páginas: 82

Publicação online: www.eurosophia.com

PVP: 4,60 €


 

Comprar

Sobre o autor

 

Apontamento

 

A “felicidade” é um daqueles temas que está pouco tratado entre nós e, contudo, a todos implica. Quem não sente o desejo de viver uma vida tranquila, liberta de preocupações excessivas, plena de satisfação, alegre? O mais taciturno dos homens conduzirá, por certo, a sua vida no sentido da felicidade; a mais maquiavélica das mentes exercitará a sua acção espúria para atingir os objectos da sua paixão; o espírito benfazejo não terá outra coisa em mente senão a felicidade, contribuindo com a sua prática para que os outros a tenham. Numa palavra, todos queremos ser felizes. Esta é a razão do presente trabalho: reflectir sobre a felicidade e natureza humana, ainda que de modo bastante circunscrito.

São suporte deste escrito, os Ensaios Morais (O Epicurista, O estóico, O Platónico e O Céptico) de Hume, embora utilize algumas referências de outras obras do mesmo autor. Não li comentadores dos Ensaios, propus-me, para minha própria aprendizagem, desenvolver, digamos, uma certa hermenêutica dos textos de Hume. Assim, é minha intenção interpretar, sem adulterar, o que Hume entende por realização de uma vida feliz, embora tenha consciência de que não é uma tarefa fácil, tendo em conta o estilo literário de Hume que nos deixa, por vezes, muitas dúvidas de interpretação, mas também nos deixa o gosto e o entusiasmo pela descoberta e novidade do tema.

A primeira parte do trabalho procura explicar que, afinal, a felicidade humana, meta para que todos tendemos, está intimamente relacionada com a nossa conduta, o nosso modo de ser e estar na vida. É também tido em consideração os reparos que Hume faz quanto à possibilidade das regras de arte determinarem a felicidade, ideia que ele rejeita, visto que as paixões humanas não obedecem a espartilhos e manifestam-se das mais variedades formas. São também consideradas como contribuição para a vivência do prazer, as situações de trabalho, de repouso, bom como de saúde. Por último, regista-se que os objectos susceptíveis de proporcionar satisfação ao homem devem procurar-se fora do sujeito da paixão e não, apenas, na esfera do ‘eu’.

A segunda parte centra-se, essencialmente, sobre a paixão e a felicidade, crítica à generalização de princípio e influência da filosofia. No que respeita à primeira questão, constata-se que sem uma vida de paixão não é possível feliz, ainda que nem sempre aquela siga o caminho da virtuosidade. De qualquer forma, só é feliz, aquele que efectivamente concretize as suas tendências, sejam elas virtuosas ou viciosas. Quanto aos segundo tema, Hume critica, sem contemplação, sábios e filósofos que pretenderam generalizar as suas próprias vivências, tornando-as princípios que outros deveriam seguir, se desejassem em felicidade. Conclui-se nesta reflexão que só ocasionalmente os princípios – de ordem moral – serão seguidos, mas sem que cada um se preocupe com eles. Finalmente, quanto à influência da filosofia, penso que Hume não rejeita totalmente esta possibilidade, embora vá dizendo que só indirectamente, não como guia, mas como um saber que pode, em algumas circunstâncias, sugerir maneiras de melhorar o aproveitamento dos objectos dos nossos desejos, sem procurar substituí-los nem limitá-los.

No termo desta introdução, direi que tenho plena consciência de que, neste trabalho, não são tratadas exaustivamente todas as ideias contida nos Ensaios Morais, nem é essa a minha pretensão. O texto que se segue é, tão-somente, uma leitura possível de entre tantas, dada a riqueza temática que Hume desenvolve e a especificidade do assunto.

 
 

LIVROS/EBOOKS

 

Horizontes da Filosofia

 
Para que serve a Filosofia
|

Organização e Desenvolvimento Curricular

(Est. universitários, professores)

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

|

Como Organizar Um Trabalho Escolar

(ens. secundário, universitário)

 
Vergílio Ferreira e o Existencialismo
 

Ciências da Educação: Glossário

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

!

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

|

A felicidade segundo Santo Agostinho

|

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EDUCAÇÃO/ENSINO

 
Disputatio International Journal of Philosophy
Encyclopédie de la philosophie
Educação

Ensino da filosofia

Erasmus
Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário
Philosophie & religion
Stanford Encyclopedia of Philosophy
 

CONSULTA ÚTIL

 
Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 
© 2003-2018 eurosophia.com - Todos os direitos reservados Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 06/03/18