A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

 

A Filosofia é (...)  a actividade mais natural do homem e o inquérito filosófico o mais caracteristicamente humano. Rafael Gambra.

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto Utilização de textos
 

A felicidade segundo Santo Agostinho

© António A. B. Pinela (1992)

Edição: 2010

Editor: O autor

Formato: eBook

Páginas: 69

Publicação online: www.eurosophia.com

PVP: 4,30 €
 

 

Comprar

Sobre o autor

Apontamento

Analisar o pensamento do Santos Agostinho, mesmo que a análise se limite ao diálogo De beata uita, é uma tarefa muito interessante, mas, ao mesmo tempo, nada fácil. A leitura do Diálogo sugere-nos, com frequência, outras leituras do próprio autor, como por exemplo De Ordine, Contra Académicos e Confissões. No entanto, tive que fazer opções quanto à metodologia a seguir: ler ou reler outros textos de Agostinho que me ajudariam a compreender os conteúdos do Diálogo, mas que, por certo, me influenciariam na sua interpretação, ou reflectir sobre De beata uita a partir do próprio texto? Tendo em conta os objectivos do seminário e as orientações recebidas, optei pela segunda hipótese, por duas razões: a primeira, porque este Diálogo vale por si mesmo e a hermenêutica do texto não será influenciada por outras leituras, embora, como é óbvio, eu tenha sofrido, no sentido positivo, influências decorrentes dos debates desenvolvidos no Seminário de Mestrado, que muito me ajudaram; a segunda razão prende-se com o facto de esta ser para mim uma experiência nova, proceder à análise integral de um texto, com o objectivo de o interpretar e escrever o resultado da própria reflexão. Neste sentido, esforçar-me-ei, tanto quanto me for possível, por apreender a mensagem que Santo Agostinho transmite, embora tenha plena consciência de que não conseguirei esgotar as tendências abordadas por Agostinho. Pois, o que proponho com a minha reflexão é tão só uma leitura do texto de entre outras possíveis. Consequentemente, na perspectiva de melhor alcançar o sentido do tema que Agostinho propõe, seguirei a sua orientação pedagógica, isto é, não me desviarei muito da ordem sequencial do Diálogo.

A abordagem do Diálogo Sobre a Felicidade, de Santo Agostinho, tem por objectivo analisar e compreender o modo como o Santo abandonou uma vida, que considerava indigna, e se dirigiu para outra, a vida virtuosa, por meio do conhecimento de Deus. Por conseguinte, o presente trabalho centra-se mais concretamente num período muito particular da vida de Agostinho e pode ser datado. É a época em que ele parte com algumas familiares e amigos para Cassicíaco.

O meu interesse pelo estudo do Diálogo de Agostinho deriva do facto de me interessar pela problemática da felicidade. Não é verdade que todos  (cada um a seu modo) queremos ser felizes? É o que pensa Agostinho, com o qual estou totalmente de acordo, embora ele tenha escrito este belo livro em 386.

Santo Agostinho procurou e encontrou a felicidade em Deus, outros encontrarão aquele estado espiritual em outros objectivos. Santo Agostinho não prejudicou ninguém com a sua escolha; poder-se-á dizer o mesmo de outros que aspiram à felicidade? Uma olhadela pelo que se passa à nossa volta dir-nos-á que não.

Mas voltemos ao texto De beata uita. A sua leitura como que nos transporta para o mundo de Agostinho, isto é, para o mundo que ele descreve consubstanciado na sua vivência e que nos leva a imaginar uma personalidade atractiva, possuída de um coração que pulsa ao ritmo da vida que quer viver, mas que também se preocupa com os outros. Por isso, indaga a verdade, não pelo simples facto de a procurar, mas porque a ama, do mesmo modo se interessa pela vida feliz, porque quer ser feliz.

Devido a grandiosidade do assunto, estou consciente de que a abordagem que faço do texto de Agostinho não é exaustiva, não só por eventual falta de capacidade interpretativa do autor, como também pela riqueza de conteúdos e pela abundância de imagens que Agostinho imprime à obra. Assim, a divisão do trabalho em quatro capítulos não tem outro sentido senão o de aproximar conteúdos e, por esta forma, conseguir uma melhor compreensão da beata uita, segundo Agostinho.

 
 

EBOOKS/FILOSOFIA

 

Horizontes da Filosofia

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

 

A felicidade segundo Santo Agostinho

 

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EBOOKS/EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

 

Como Organizar Um Trabalho Escolar

 

Ciências da Educação: Glossário

 

FRAGMENTOS

 

Etimologia da palavra Filosofia

O mito

A vivência da Filosofia

A reflexão sobre as coisas

Escrever sobre os «Horizontes da filosofia»

 

ARQUIVO

 

Educação

Ensino da filosofia

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

© 2003-2017 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados

Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 28/05/17