A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A B Pinela

 

A Filosofia é (...)  a actividade mais natural do homem e o inquérito filosófico o mais caracteristicamente humano. Rafael Gambra.

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Educação Glossário Ajuda Contacto Utilização de textos
 
A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

© António A. B. Pinela (1993)

Edição: 2010

Editor: O autor

Formato: eBook

Páginas: 98

Publicação online: www.eurosophia.com

PVP: 4,80 €

 

 

Comprar

Sobre o autor

 

Apontamento

 

Procurar saber até que ponto a língua portuguesa é um bom veículo de expressão da Filosofia, problema levantado por Álvaro Ribeiro, era, inicialmente, o âmbito do nosso interesse pelo estudo da obra A Arte de Filosofar; no entanto, as leituras e reflexões ulteriores, efectuadas no Seminário «Cultura, Literatura e Filosofia: Leitura de Textos Portugueses» inflectiram o nosso interesse e estendemos, por isso, o estudo à I Parte da obra, «A Razão Universal», tema que colhemos de Ribeiro para título do presente estudo.

Temos consciência de que a obra que nos propomos analisar trata de questões de difícil abordagem e, como se tal não bastasse, o próprio autor não ajuda muito a compreender alguns temas que aborda, dado que, com frequência, inicia reflexões que não conclui ou esclarece, mas que apenas refere de passagem, o que dificulta, por vezes, uma clara apreensão das intenções do filósofo. De qualquer modo, achámos interessante analisar as temáticas que Ribeiro traz à discussão e, tanto quanto nos for possível, esclarecê-las e atribuir-lhe o devido valor, segundo a nossa leitura.

Foi, de facto, «A aptidão da língua portuguesa para a Filosofia» (rubrica I) que nos fez interessar pelo temário proposto por Álvaro Ribeiro. A leitura da obra fez-nos pensar que temos o hábito de desvalorizar tudo (ou quase) quanto é português, até a própria língua! Diz-se que não se houve música portuguesa, porque o dizer ou o cantar não é tão sonoro ou melódico como o cantar e dizer em língua inglesa, por exemplo; não se vê muitos filmes portugueses, porque os filmes americanos ou ingleses têm qualidade superior; não se lê ou se lêem poucos ensaios e outras obras científicas ou filosóficas de autores portugueses, porque os nossos investigadores ainda não atingiram os níveis alcançados lá fora; enfim, mais concretamente, no que concerne à Filosofia, não temos um Kant ou um Hegel, um Descartes ou um Sartre, um Hume ou um Russell que nos sirva de bilhete-postal, para que se faça luz sobre as reais capacidades do pensar em português! E, todavia, como pensa Ribeiro, a nossa língua não é menos apta que as outras línguas românicas para a tradução e para expressar a razão humana, visto que a razão é universal e a todos cumpre por igual o privilégio da sua comunicação.

Tendo em conta «A complexidade da linguagem e o rigor da comunicação» (rubrica II), e porque o tema anterior o sugere, abordaremos a importância do signo linguístico, como elemento fundamental da comunicação e realçaremos o valor ontológico do discurso, sem esquecer que falar implica o concurso de "todo o corpo" e não apenas de alguns órgãos próprios, como querem os positivistas

Na sequência do presente estudo, cabe analisar o valor e o sentido lógico das palavras, já que os positivistas tendem a substituí-las por símbolos, devido a que, na sua opinião, estes são mais estáveis e rigorosos que as próprias palavras. Pois, para eles, como se escreve em III.1, «Só o conhecimento dos factos é fecundo» e é só por meio da linguagem simbólica que tal conhecimento é possível. Relega-se, assim, para um plano secundário a linguagem natural. Daí que o estudo de «A significação das palavras, as novas teses e os princípios lógicos» (rubrica III) tenha sentido, a fim de se verificar até que ponto a redução das palavras a símbolos, mesmo que limitada às ciências experimentais, permite o desenvolvimento intelectual ou a possibilidade da inovação. Ora, se as palavras são, por assim dizer, entidades "vivas", as suas significações, e não a simbologia das ciências, são necessárias à expressão da razão e à possibilidade de elaboração de novas teses.

A «Razão e crença, pensamento e realidade» (rubrica IV), último tema que se reflecte, aborda a universalidade da razão, visto que sem ela não é possível prosseguir o caminho que se situa entre a ciência e a ignorância. Enfim, a reflexão em torno desta rubrica encaminha-nos para a compreensão das verdades lógica (verdade dos conhecimentos) e ontológica (verdade das coisas) inseridas no contexto da Natureza que apenas conhecemos imperfeitamente.

Não poderíamos deixar de reflectir sobre o sobrenatural que não podemos conhecer empiricamente, mas que nos dá a garantia de acesso não só a conhecimentos particulares, como também a conhecimentos superiores ou universais, sem esquecermos que, como, pensa Ribeiro, ao conhecimento de Deus só chegaremos por meio de inferências. (...)

 
 

EBOOKS/FILOSOFIA

 

Horizontes da Filosofia

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

 

A felicidade segundo Santo Agostinho

 

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

EBOOKS/EDUCAÇÃO

 

Organização e Desenvolvimento Curricular

 

Como Organizar Um Trabalho Escolar

 

Ciências da Educação: Glossário

 

FRAGMENTOS

 

Etimologia da palavra Filosofia

O mito

A vivência da Filosofia

A reflexão sobre as coisas

Escrever sobre os «Horizontes da filosofia»

 

ARQUIVO

 

Educação

Ensino da filosofia

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

© 2003-2017 EuroSophia.com - Todos os direitos reservados

Utilização de textos

Contacto

EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

Última actualização: 28/05/17