Sócrates morreu em defesa da Filosofia, conversando com amigos e discípulos.

EuroSophia e um espaço de reflexão e de edição de textos

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Os meus livros/eBooks Contactos
 

Ética e Cidadania

 

São incomensuráveis as transformações que ocorreram desde as primeiras experiências filosóficas e a instauração da democracia pelos antigos gregos, há 2500 anos, fruto da evidência da razão, que desmistificou os preconceitos míticos e a força das tiranias, mostrando aos cidadãos a origem do poder. Este, imperial ou monárquico, fundava-se em heranças «divinas», sendo usurpado aos seus legítimos detentores, os cidadãos. Mas eis que a persistência do pensamento filosófico faz novas descobertas, tanto no campo científico, como na relação ética e na capacidade da cidadania de cada um.

Conhecem-se as invasões territoriais em nome da civilização, contacta-se novos mundos e novas vivências; ocorrem derrocadas de impérios e de monarquias; e os cidadãos conhecem outras realidades, que não somente aquelas que o mito e a religião transmitiam destes tempos ancestrais. Ocorre o Milagre Grego: a transformação económica e política ─ instaura-se a Democracia.

A Matemática e a Medicina conquistam o estatuto de ciência. A primeira com Euclides (primeira metade do séc. III a. C.), a segunda com Hipócrates (460-370 a. C.). As transformações económico-sociais não param, mas as guerras são o vício da cegueira humana.

Já perto de nós, no tempo, emergem revoluções, movimentos assistémicos: como o nazismo, o fascismo e o comunismo, que fazem o seu caminho; e assiste-se as duas Grandes Guerras Mundiais. Ainda mais próximo, conhecemos, em directo, as Guerras do Golfo, o desmoronamento do Iraque, e a recente guerra entre Israel e o Líbano, etc. Ora, são todas estas ocorrências (negativas ou positivas), que não podem deixar de incomodar a consciência dos povos e de cada cidadão.

As transformações são imparáveis, novos interesses se instalam e a globalização, tão em voga, vai apagando as diferenças positivas que ainda existem entre os povos.

A nível político, a sede de poder é insaciável, não olhando a meios… ignorando todos os princípios da ética e da cidadania. Vive-se a moda dos grandes empórios empresariais, perde-se o sentido da medida. Tudo muda.

Falar hoje de ética e de cidadania é um imperativo de consciência, é um dever de todos nós. É ter presente o que ocorre neste mundo, cada vez mais globalizado e mais cruel, e tão distante da sua matriz original: as pessoas.

Por tudo isto, cabe questionar: que credibilidade atribuir a quem nos promete mundos-e-fundos, por ocasião de eleições, uma vez que passadas estas, logo os seus actores esquecem de quem lhe preparou o palco?

Cada vez mais os cidadãos se sentem desamparados e entregues à sua sorte e, não raro, ao desespero. Por isso, é necessário dizer, a quem se esquece frequentemente, que todos temos uma função a desempenhar, que toda a função, por mais humilde que seja, é necessária para o conjunto da vivência humana. Por exemplo, se uns são políticos e desempenham funções a este nível é porque outros têm a qualidade de eleitores e os elegem. Sem a qualidade de uns não existirá a qualidade dos outros. Se não houvesse a doença que falta nos faria o médico? Se o carro não nos avariasse, como sobreviria o mecânico? Se a energia eléctrica faltasse, como escreveria estas linhas no meu computador?

Vivemos num tempo em que tudo muda muito célere. As novas tecnologias são uma maravilha "diabólica" criada pelo homem. Mas tanto podem estar ao serviço do Bem como do Mal. Contudo, temos que acreditar em alguma coisa. Acreditemos no Homem. O ser humano não é mau por natureza. Às vezes é um pouco esquecido!

Pelas dúvidas expostas, pelos eventos referenciados, queiramos ou não, estamos todos convocados a fazer uso, quanto baste, da nossa cidadania, lembrando, sempre que necessário, aos responsáveis públicos mais esquecidos, que a ética e a moral não são coisas vãs, nem habilidades de intelectual, mas fazem parte, devem fazer parte efectiva da nossa relação com os outros. Sem a existência do Outro não existe a afirmação do Eu. (António Pinela, Reflexões, Agosto de 2006).

 
 
 

LIVROS/EBOOKS

 

Horizontes da Filosofia

 

PVP: 9,00 €

 

Ver informação

 

 

Para que serve a Filosofia

 

PVP: 8,00 €

 

Ver informação

 

 

A Fundamentação Metafísica da Esperança em Gabriel Marcel

 

PVP: 13,50 €

 

Ver informação

 

 

Organização e Desenvolvimento Curricula

 

PVP: 19,40 €


Ver informação

 

 

Como organizar um trabalho escolar

 

PVP: 3,00 €

 

Ver informação

 

 

Vergílio Ferreira e o Existencialismo

 

PVP: 5,00 €

 

Ver informação

 

 

Ciências da Educação: Glossário

 

PVP: 4,00 €

 

Ver informação

 

 

A Razão Universal em Álvaro Ribeiro

 

PVP: 4,00 €

 

Ver informação

 

 

Rousseau denuncia as causas das desigualdades


PVP: 4,00 €

 

Mais informação

 

 

A felicidade segundo Santo Agostinho

 

PVP: 4,00 €

 

Mais informação

 

 

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

 

PVP: 4,00 €

 

Mais informação

   

EDUCAÇÃO/ENSINO

 

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Disputatio International Journal of Philosophy

Encyclopédie de la philosophie

Educação

Erasmus

Philosophie & religion

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

CONSULTA ÚTIL

 

Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

 

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, (Os)

 
© 2003-2019 www.eurosophia.com - Todos os direitos reservados Webmaster: arb.pinela@sapo.pt
Sobre o autor dos textos Última actualização: 21/06/19
Utilização de texto Contacto