EuroSofia é um espaço de reflexão e de edição de textos

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela

Início EuroSophia Filosofia Filósofos Glossário Os meus livros/eBooks

Contactos

 

A exigência do rigor reflexivo

 

Álvaro Ribeiro mostra uma certa mágoa pelo facto de algumas críticas considerarem que a língua portuguesa é destituída de qualidades que a tornem apta para a expressão filosófica. No entanto, segundo considera o filósofo, a responsabilidade daquelas críticas não deve ser atribuída à língua portuguesa, que seria neste caso um mau instrumento de expressão filosófica, mas sim a alguns dos que comunicam as suas próprias reflexões. Para esclarecer a sua po­sição, Álvaro Ribeiro reporta-se ao modo como certos filósofos portugue­ses tecem as suas ideias. E, a propósito, cita como exemplo Cunha Sei­xas, Sampaio Bruno e Leonardo Coimbra que manifestam uma preocu­pação excessiva de «densidade sintáctica que perturba a limpidez do esti­lo didáctico». Além deste aspecto considerado negativo, Ribeiro nota, nestes filósofos, uma exuberante carga de imagens e de palavras ou frases em sentido figurado que, em lugar de contribuírem para tornar claras as ideias, antes escondem a capacidade de produzir um discurso claro e convincente.

No entanto, Ribeiro diz, logo de seguida, que a leitura de outros autores, como António Verney, Antero de Quental e António Sérgio, proporciona compreensão e agrado. Mas embora isto seja verdade, aque­les que estudam estes pensadores e elogiam a sua forma de comunicação escrita, não deixam de notar que mesmo nestes exemplos a prosa portu­guesa não exprime ainda a persuasão analítica, o discernimento pene­tran­te e a promoção sintética que transparece nos livros dos filósofos es­tran­geiros. Decorre desta posição que faltará, então, à expressão filosó­fica, em língua portuguesa, o rigor reflexivo e expressivo que o temário filosó­fico requer. Todavia, Álvaro Ribeiro não deixa de observar que o juízo negativo acerca das obras dos filósofos portugueses não incide so­bre os conteúdos dos seus pensamentos, mas sobre o modo de os expres­sar. Mas mesmo a este nível, Ribeiro é de opinião de que tais críticas se devem, em muito boa parte, a ligeireza ou negligência com que as leituras são feitas (António A. B. Pinela). Ler mais

 
 
 

TEXTOS

Agostinho e o retiro de Cassicíaco

 
Felicidade e conduta humana
 
A exigência do rigor reflexivo
 
A natureza humana
 

EDUCAÇÃO/ENSINO

Disputatio International Journal of Philosophy

Encyclopédie de la philosophie

Educação

Ensino da filosofia

Erasmus

Estudo da filosofia

Filosofia (Prog. ens. secundário)

Filosofia (Discip. ens. superior)

Filosofia (textos)

Filósofos (biografias breves)

Glossário

Philosophie & religion

Stanford Encyclopedia of Philosophy

 

CONSULTA ÚTIL

Ciberdúvidas

Amnistia Internacional

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Lusofonia (CPLP)

ONU

UNESCO

União Europeia

 

ARQUIVO

Pensamentos

Provérbios

Sabia que...

Sete sábios da Grécia, Os

 

 
© 2003-2019 www.eurosophia.com - Todos os direitos reservados Webmaster: arb.pinela@sapo.pt
Sobre o autor dos textos Última actualização: 16/03/19
Utilização de texto

Contacto